terça-feira, 17 de setembro de 2013

Absurdolândia 16

Por fim, como último elemento para termos dissecados todos os significados do simbolicamente tão rico lábaro absurdo, temos a cor com que dentro da faixa branca estão escritas as três palavras sagradas, "hipocrisia e absurdo", novamente o verde. Mas este verde, um pouco mais claro do que aquele, nada tem a ver com o do retângulo externo, sobre o qual falamos acima. Não. Este é um verde que simboliza a esperança, a hipócrita esperança do povo da Absurdolândia. Uma popular imagem que, de um modo lúdico até, muito bem explica como este importante elemento, a esperança, decisivamente atua no inconsciente coletivo absurdo é a do sujeito que monta num jumento e o faz andar pondo diante dele uma cenoura pendurada por uma vara de pescar segura pelo próprio montador, de modo que, conforme o jumento anda, a cenoura também anda e ele jamais a alcança, e, jumento que é, continua andando indefinidamente em sua busca. Sim. A esperança do povo absurdo é exatamente assim. A Absurdolândia, numa alusão às suas riquezas infindáveis, que um dia decerto, o de São Nunca, haverão de reverter equanimemente em benefício do seu povo, diz-se orgulhosamente o "país do futuro". Contudo todos sabem que é um futuro que ninguém viverá para ver e que essa apenas mais uma frase de efeito a fazer parte da infindável ladainha que está sempre a hipocritamente justificar tanta injustiça, a hipocritamente justificar o injustificável, a hipocritamente justificar o absurdo. Entra década, sai década, políticos vão e vêm a cumprir mandatos e mais mandatos, todos, aliás, oriundos da elite que exclusivamente representam, a dos da estrela de cima, num teatro de canastrice em que uma situação perene contracena com uma oposição de fachada,  sempre paira no ar um espírito de que "é preciso arrumar a casa", pôr as contas em ordem para que, a médio prazo, a Absurdolândia enfim desponte como o grande país que, para todos os seus filhos, pode e deve ser. E eis, simbolizado no verde com que escritas estão na bandeira as três imaculadas palavras, a esperança do seu povo, a esperança de quem, qual o jumento da cenoura, corre atrás de um horizonte que, obviamente, na mesma velocidade sempre continua a se afastar.

Gugu Keller 

10 comentários:

  1. Em uma Nação de fachada, crer em "Ordem e Progresso" é um tanto irônico. Por que não estampar "Hipocrisia e Absurdo"? Com um fundo verde de esperança hipócrita, a combinação seria perfeita. Um Brasil onde muito se fala, se promete, e nada muda! Troca-se a embalagem, mas a farinha é a mesma. Absurda esperança coletiva. Horizonte teatral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... Na Absurdolândia ao menos a bandeira não é hipócrita.
      Obrigado pelo comentário.
      GK

      Excluir
    2. Por nada, Gugu! Embora os agradecimentos devessem partir sempre de mim. rsrs. Acabo de ver que mandei comentários repetidos... se quiser apagar um deles, a vontade.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Muito bom! Sem mais. Preciso ler do 1 ao 15. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja sempre bem-vinda e fique à vontade!
      GK

      Excluir
  3. Muito bom! Sem mais. Preciso ler do 1 ao 15. :)

    ResponderExcluir