terça-feira, 14 de abril de 2015

Motivo 5

O que dizer sobre a absurda incoerência de serem ilegais inúmeras substâncias sabidamente menos nocivas do que o álcool e o tabaco quando estas ambas não o são? Não é meio como que, qual diziam os antigos, o chamado "samba do crioulo doido"? Será que alguém ainda é desinformado acerca do quanto essa dobradinha causa danos no que se refere à saúde pública? Muito, mas muito muito mais do que qualquer outro tipo de entorpecente? Ironicamente, costumo dizer que creio ser a maconha, por exemplo, uma droga absolutamente injustiçada, já que, após quase cinqüenta anos de uma razoável observação da vida e do mundo que me cerca, parece-me tão claro quanto o dia tratar-se de uma substância muito menos prejudicial em todos os sentidos. Faz menos mal à saúde, vicia menos e, em comparação com o álcool, é muito menos alteradora da consciência. Mas o preconceito tão profundamente plantado com fertilíssimas sementes de moral e bons costumes é implacável, não? "Maconha" entre nós é sinônimo de perdição, de submundo, de desgraça, de podridão. "Maconheiro", então, pior ainda! Sugere um ser abominável, repugnante, perigoso, demoníaco. Já quanto ao álcool, ao contrário. É chiquérrimo consumir um uísque escocês, ou um vinho francês, indispensável uma caipirinha à beira da piscina, e torna-se quase que excluído de sua turma quem não gosta de matar a sede com cerveja ou chope. Mas o que se esperar de uma sociedade onde abrir um livro é coisa raríssima? O óbvio, não? Ou seja, as pessoas parecem não fazer a  menor idéia de que toda essa contradição entre o que é e o que não liberado, a tanto socar nosso já em quase nocaute bom senso, deriva apenas e tão somente de contextos históricos em que, como sempre, interesses políticos e econômicos apontaram num ou noutro sentido. Sim, nada, absolutamente nada mais do que isso! Exemplificando, voltando ao clássico caso da cannabis, ela apenas foi endemonizada da maneira que aprendemos por ter sido a droga que era consumida por negros no sul dos Estados Unidos quando eles eram brutalmente perseguidos. Mas quem se importa com o que ensina a história? A nossa sociedade é mesmo assim... Álcool? Tudo bem! Nicotina? Tudo bem! A corrupção do jeito que é? Tudo bem! A saúde e a educação públicas como são? Normal! Toda essa hipocrisia, essas tantas mentiras, todo esse engodo desse nosso estado parasita, toda essa indiferença, esse desrespeito, esse desamor para com o próximo? Tudo tranquilo! Já a maconha? Não, isso não se admite nesta nação constitucionalmente e graças a deus teísta e de fortes raízes cristãs! Pois digo a vocês, meus amigos... Maconha ser proibido quando álcool e tabaco são liberados equivale a dar uma bola para uma criança e dizer que ela... - Futebol pode! Agora, se jogar basquete, vôlei, handebol, queimada ou o que seja, você estará se enveredando por uma conduta muito grave, pela qual haverá de sofrer uma justa e humilhante reprovação!
 
Gugu Keller 

Um comentário:

  1. Há o que se ler por aqui... Obrigada pela visita e volte sempre!

    ResponderExcluir