terça-feira, 2 de março de 2010

Lá em Casa tem um Poço...

É sempre uma experiência mágica revisitar a obra de grandes poetas e é interessante como no que tange à sua compreensão tudo parece ter seu devido tempo para cada um de nós...
Exemplificando, apenas com a morte de Renato Russo em 1996 e a subseqüente divulgação de que ele tinha aids e o sabia desde 1989, foi que percebi que, na canção "Feedback Song For a Dying Friend", do álbum "As Quatro Estações", justamente daquele ano, 89, ele se dirigia a Cazuza.
Pois bem... É desse mesmo álbum um verso que meio que "me incomodou" por mais de vinte anos, até que, no último fim de semana, como que num estalo, eu finalmente o compreendi...
Trata-se de um verso, na verdade o último verso, da canção "Há Tempos", a que abre o álbum... Sendo extremamente conhecida, um dos hinos da Legião Urbana, alguns trechos dela soam qual verdadeiras epígrafes para todos nós, como "Parece cocaína mas é só tristeza", ou "Há tempos são os jovens que adoecem", ou, ainda, e, talvez, sobretudo, "Disciplina é liberdade". Contudo ela termina com um verso estranho, aparentemente deslocado do restante da letra, cuja compreensão me fugiu durante esses mais de vinte anos, até que, como eu disse, de repente, e até meio de surpresa, no último fim de semana, afinal me surgiu...
Diz o verso... "E ela disse... - Lá em casa tem um poço mas a água é muito limpa!"
Sim, por mais de vinte anos matutei a respeito. Fundamentalmente, não conseguia entender o nexo da palavra "mas", a idéia do adversativo, indicando ser um problema que a água seja limpa, o que para mim não parecia fazer nenhum sentido. Por outro lado, sem saber por quê, eu não conseguia deixar o questionamento de lado. De algum modo minha intuição me dizia que havia um significado relevante ali. Alguma coisa intencional e caprichosamente oculta.
Pois bem... Vinte e um anos depois, enfim compreendi... Refletindo toda a angústia que ele devia estar sentindo naquele momento tão difícil, como aliás está bem evidente no resto da canção, e também em todo o álbum, e mais ainda nos que o seguiriam, esse verso contém uma idéia suicida... Sim, isso mesmo! Agora me parece claro! É uma especulação sobre como, de que maneira se suicidar...! O poço, que já traz em si a gigantesca imagem simbólica de ter no seu fundo o ápice do desespero, o máximo do sofrimento, da dor, da derrota, seria, também, não raro se vê acontecer, um bom local/meio para alguém dar cabo da própria vida...! Mas este de que se fala não, conclui a canção! Não! Este não serve! Por que? Porque sua água é limpa demais! Sua água não é turva o bastante para que se o considere apropriado para um suicídio! Interessante, não?
E reforça-me a idéia, amigos, uma outra canção, do ábum seguinte, "V", também bastante conhecida, "Vento no Litoral"... Aqui, desta vez quase que de modo escancarado, ele novamente fala de suicídio, e novamente especula cometê-lo através da água, agora não num poço mas no mar... Possivelmente lhe fosse uma espécie de idéia recorrente, sobretudo diante do decerto incomensurável pavor daquele diagnóstico, ainda muito pior naqueles dias do que hoje...

Onde quer que você esteja, Renato Russo, e como você mesmo dizia, "força sempre"! Entre nós tua maravilhosa obra jamais te deixará morrer!

É claro que outras pessoas podem ter interpretações diversas sobre o último verso de "Há Tempos"... De antemão já digo que respeito-as todas e até gostaria muito de as conhecer...!

Gugu Keller

15 comentários:

  1. Nunca fui fã do legião, mas, vento no litoral foi o que me salvou num carnaval, onde só rolava axé, pagode e forró [afinal, aqui rola muito disso]. Ele era suicida? Não sabia.
    Madonna, ah essa sim me ferve a alma!
    Gosto muito de Isla Bonita, mi amigo, e num de meus covers, já cantei arduamente, trajando apenas uma saia comprida e um top a lá Carmem Miranda.
    Quanto ao 'Bruguelo', nunca ouviu? :) Poxa,
    Beijos!
    p.s: e o msn? Não usa?

    ResponderExcluir
  2. Eu não interpretaria como você. A música há tempos fala de tempos de frieza, de falta de humanismo e de bondade. Entendo que ele quis dizer que a água era muito limpa para se oferecer ao próximo. Algo assim.

    ResponderExcluir
  3. Você está melhor que eu Keller, eu ainda continuo achando o final desta música "Lá em casa tem um poço mas a água é muito limpa" desconexo.

    Gostei da sua interpretação também a respeito. Espero um dia descobrir - e aceitar - uma.

    ResponderExcluir
  4. Nada nunca é o suficiente, o poço seria uma coisa boa, mas, a água é muito limpa. o Mas, indica uma insatisfação pela água ser muito limpa. Nada nunca está bom...

    Foi o que entendi. Cada um interpreta de um jeito e talvez ninguém tenha realmente acertado ao certo o que ele quis dizer..rs =)

    ResponderExcluir
  5. Na verdade, a pessoa pensa em suicídio, se jogar no poço, mas não tem coragem e a desculpa é por causa da água que é muito limpa, se jogasse no poço, o poço seria fechado e o espírito estaria preso. o Renato decifrou num programa de televisão na época

    ResponderExcluir
  6. Não concordo com idéia do suicídio...

    O poço é uma referência sim, ao máximo de sofrimento, derrota ,etc...enfim o "fundo poço".
    A existência de água limpa no fundo do poço ,significa que mesmo neste estado ainda há esperança,e chance...ainda se pode tirar algo de bom de lá.

    ResponderExcluir
  7. A idéia acima é condizente com o trecho: "...muitos tenores nascem, do cansaço,e da solidão..." - Querendo dizer que algo de bom pode nascer dessas situações, tal qual agua limpa no fundo de um poço.

    ResponderExcluir
  8. Lá em casa (dentro dele), há um poço. Mas ele sabe que a água (emocional, valores) do poço é muito límpa. Por isso ele não se suicida. Não porque a água real ficará suja, mas porque ele, por mais que sofra, por mais que lhe acusem ou SE auto-acuse pela profundidade do poço de suas questões, o poeta tem ORGULHO de seus valores, da água límpida e profunda que pode lhe matar. Assim como não fazia sentido para o Renato Russo se jogar naquela cistena de água límpida do fundo do quintal, para não contaminá-la com a "sua sujeira", do mesmo modo ele desiste simbolicamente da idéia de se matar, já que ele tem orgulho de ser quem é, e inconscientemente percebe que não são seus valores que estão tão errados, mas sim a sua socialização. Daí a necessidade da euforia (cocaina) para encobrir a tristeza bipolar de existir.
    By Lazaro Freire.

    ResponderExcluir
  9. Obrigadíssimo a todos pelas opiniões!
    GK

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante interpretação, mas assim como aconteceu com você, foi comigo dessa vez:
      Eu entendo que nesta passagem ele sabe que lá na casa dele (casa=conforto, segurança, apoio, compreensão ) ele tinha uma resposta pra tudo...
      Era Deus, a "água muito limpa" era Deus e ele se achava sujo demais para esta "água"...

      PS: deveria ter tomado daquela água, jamais teria sede

      Excluir
  10. Já vi três interpretações da música e todas são plausíveis, nunca saberemos ao certo o que ele queria dizer... Gostei do que ela disse:
    Evelyn disse...
    Nada nunca é o suficiente, o poço seria uma coisa boa, mas, a água é muito limpa. o Mas, indica uma insatisfação pela água ser muito limpa. Nada nunca está bom...

    ResponderExcluir
  11. Gugu, tenho outra interpretação... não é suicídio... é que as pessoas da casa do Renato eram profundas... como um poço, no entanto eram limpas... profundas mas sem sofrimento... eram boas, mas não compreendiam quem sofria por motivos estranhos...

    ResponderExcluir
  12. Caros amigos
    Tive o prazer de ter como professora uma grande amiga do Renato na época em que ele estudava inglês, entre muitas conversas com ela, mesmo depois dele estourar com os grandes hits hoje conhecidos por todos, ela que mantinha contato constante com ele por telefone e visita a sua casa. ELa sempre lhe perguntou os significados de suas "poesias", assim como ela classificava as suas canções, com muito prazer ele explicava.
    Por exemplo na música há tempos na frase "há tempos são os jovens que adoecem", ele explicou: " Assim como o próprio Shakespeare disse que o amor é uma doença, esse tem sido o mal de todos os jovens,essa doença é contagiosa quem ama passa amor, querer amar e dessa doença querer morrer para amar de verdade é que todos nós passamos a sentir, mas em especial essa geração juvenil.
    Já no final da música ele simplesmente fez o que já havia feito na música "Monte Castelo",implementando textos de um livro que achou no hotel onde ficou hospedado e parte de 1 Cor capítulo 13, mas nesse caso de "Há tempos" ele foi mais além,retratou o episódio de João Capítulo 4, Jesus e a mulher samaritana, você vai se lembrar que mais a frente no CD "A Tempestade" ele frisa essa ideia ao dizer " não me olhe assim com esse olhar de bom samaritano", ele sempre quis pregar essa verdade em suas músicas, dizer que o preconceito deve ser vencido antes que leve a situações irreversíveis, que por mais que água seja limpa é preciso mudar internamente, o que penso e o que sinto.E ele fez de propósito segundo ele, pois ele disse " Não sou cantor gospel, mas leiam mais a bíblia, embora eu não tenha nenhuma moral para pedir isso foi o que eu aprendi nesse capítulo 4 do evangelho de João, que todos nós de vez em quando somos samaritanos e precisamos de compaixão.

    ResponderExcluir
  13. Não é Suicidio.... Estude mais 20 anos e não compreenderá ainda.

    ResponderExcluir
  14. Acho que deve significar, muitas coisas ao mesmo tempo . Toda a música tem um sentido " fácil" . Mas este trecho final é simbólico, uma alegoria e quadra muitos sentidos.

    ResponderExcluir