sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Que tal?

Que tal, ao invés de passarmos o primeiro instante do ano novo emitindo palavras vazias para nós mesmos ou fazendo gestos ritualísticos sem sentido, concentrarmo-nos em aproveitar cada um dos seus dias lutando pelos nossos sonhos?

Gugu Keller

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

domingo, 26 de dezembro de 2010

Pacto

Tendo a crer que em datas como o natal e a páscoa o nosso constante pacto de hipocrisia coletiva torna-se ainda mais óbvio.

Gugu Keller

sábado, 25 de dezembro de 2010

Vinte Mil Línguas Sobre Vaginas

Que o sexo juliovernemente ensine à vida o quanto o poder da criatividade é capaz de trazer a magia do sempre diferente ao que em essência tanto tende a ser igual.

Gugu Keller

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Vamos Comemorar Como Idiotas!

Para quem tem o Cd "O Descobrimento do Brasil", do Legião Urbana, recomendo, como trilha sonora perfeita para a noite de hoje, a canção "Perfeição"! O que acham os amigos?

Gugu Keller

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Homofobia e Eu

É muito louco como esses preconceitos doentios que tanto há por aí acabam tendo desdobramentos inusitados... Acreditam que, de um modo reflexo, eu tenho sentido essa coisa de homofobia? Explico... É que adoro ver casais homossexuais se beijando, sabem? Sobretudo se forem duas garotas! Hummm, maravilhoso! E aqui em São Paulo, ao menos pelos lugares por onde passo, tem sido, felizmente, cada vez mais comum! Mas o problema é que, com todas essas coisas terríveis que vêm acontecendo, eu acabo ficando meio sem graça de olhar porque tenho receio de que pensem que o faço por reprovação, quando na verdade é exatamente o contrário! Hoje mesmo no metrô aconteceu... Duas moças lindas carinhosa e deliciosamente se beijavam! Muito legal! Mas acabou que só dei umas olhadas meio de soslaio, temeroso de que imaginassem que me incomodava o que na realidade eu adorava... Terrível isso, não?

Gugu Keller

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Anticonstitucionalissimamente

Pois é... Todos estão falando por aí sobre a imoralidade que é os membros do nosso digníssimo congresso nacional terem seus já polpudos vencimentos aumentados em cerca de 60% ao mesmo tempo em que o salário mínimo foi de R$510,00 para R$540,00, não é isso?
Contudo, e já que o adjetivo "imoral" não parece mesmo incomodar os doutos parlamentares, há um aspecto nessa questão sobre o qual não ouvi ninguém falar que, ao menos na modesta opinião deste que aqui vos escreve, merece ser levado em conta...
É que, não sei se todos se lembram, mas diz a nossa tão sempre acatada constituição, em seu artigo 3º, inciso III, a seguinte coisa... "Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;"
Pois bem... Agora me digam os amigos... Será que esse aumento que nossos ilustres representantes legislativos deram a si próprios, levando-se em conta o quanto subiu o salário mínimo, não constitui, num claro desrespeito à constituição, um óbvio aumento nas desigualdades sociais??? Não é portanto esse reajuste auto-concedido, além de imoral, ofensivo, absurdo, acintoso e egoísta, claramente inconstitucional??? Hum??? Será que alguém concorda comigo? Será que alguma autoridade judiciária? Algum ministro do stf, o tão festejado guardião da nossa constituição, será que concordaria? Não creio! Decerto, se é que o assunto algum dia será questionado em algum foro além deste humilde espaço, haverá, isso sim, sábios argumentos jurídiocos a demonstrar que o quanto proponho não passa de um precipitado e amalucado devaneio...

Gugu Keller

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Michês Mentais

Felizes os que se prostituem vendendo seus corpos. Desgraçados os que o fazemos vendendo nossas consciências. E quase sempre por tão pouco...

Gugu Keller

domingo, 19 de dezembro de 2010

Descortinando

Qualquer dia desses, digo-lhe tudo o que já está dito...
Revelo-lhe tudo o que já está tão claro...
E ela saberá o que tão bem já sabe...

Gugu Keller

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Ah, este meu sentimento por ela...

Talvez seja insano, ímpio, imoral, trágico, narcoléptico, obscuro, projetivo, histriônico, arquetípico, cardiotóxico, auto-fágico, karmo-dhármico, teratológico, kafkiano, quixotesco... Mas, ao mesmo tempo, é profundo, sincero e definitivo!

Gugu Keller

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

The Walk

Só vou longe quando caminho devagar. Se, ansioso, tento correr, invariavelmente me canso e desisto.

Gugu Keller

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

0,000000000000000...

Considerando que, tanto rumo ao passado quanto ao futuro, o tempo vai ao infinito, temos que nossas vidas matematicamente tendem ao nada.

Gugu Keller

domingo, 12 de dezembro de 2010

Crescente Decrescente

Tanto faz se você chama de "zero" a primeira ou a última estaca... A rigor, parando para pensar, ambas são a mesma!

Gugu Keller

sábado, 11 de dezembro de 2010

Felizes os Convidados para a Ceia

O ateu verdadeiramente lúcido é aquele que, tanto quanto em deus, não crê na felicidade, já que ambos são, à evidência, conceitos adrede oriundos de um mesmo engodo.

Gugu Keller

Will

Se, como dizem, querer é poder, resta-nos então afinal querer querer.

Gugu Keller

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Pensamento Pendular

Há dias em que as minhas maiores loucuras claramente me parecem o que de mais lúcido eu faço ou penso.

Gugu Keller

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Imagine

8 de dezembro de 1980...
Trinta anos lá se vão...
E ainda só nos resta imaginar...

Gugu Keller

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Distância

Se, como dizem, o universo é infinito, eis, enfim, nele, universo, a exata medida da distância que, por falta de palavras, inexoravelmente há entre cada dois de nós.

Gugu Keller

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Blade Runner Blues

Se nada existe para sempre, e assim é, tudo o que se acaba, paradoxalmente, para sempre terá existido. E assim é.

Gugu Keller

domingo, 5 de dezembro de 2010

Bom Dia!

Acordemo-nos! Aceitemo-nos! Assumamo-nos! E, enfim, e já está bem em tempo, a vida começará!

Gugu Keller

sábado, 4 de dezembro de 2010

Criminoso no Ar

Tendo estado de férias recentemente, outro dia estava zapeando e assisti um pouco do programa do Datena. Nossa! Fiquei pasmo com uma coisa... Ele xinga as pessoas no ar, os amigos sabiam? Sim! Conforme aquelas matérias policiais vão sendo exibidas, ele o tempo todo insulta os acusados, chamando-os de "vagabundo", "canalha", "desgraçado", e por aí vai...! Fiquei pensando... Será que na emissora onde ele trabalha não há um departamento jurídico que possa explicar a ele que isso constitui crime de injúria? Coisa mais estranha! Sim, pois, pelo que vi, ele o comete sistematicamente! Oras! Torna-se ele assim também um criminoso! Mesmo que os indivíduos a quem ele insulta no ar sejam efetivamente praticantes de condutas tenebrosas, isso juridicamente não muda nada! Configura-se a injúra, sim, senhor! Quem achar que estou falando besteira, pode consultar qualquer jurista da área criminal! Qualquer dia desses alguém o processa por esses insultos e aí eu quero ver como é que ele vai se defender...!



Gugu Keller

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Frutos Católicos

Eu digo que tudo o que temos visto acontecer no Rio de Janeiro é, em última instância, culpa da igreja! Parece loucura? Então explico... A busca pelo prazer através do uso de drogas é algo que desde os primórdios sempre fez parte da natureza humana. Sempre aconteceu e sempre acontecerá que uma considerável quantidade de pessoas assim proceda. É, em outras palavras, algo que podemos classificar como uma constante antropológica. Contudo a igreja medieval, como já escrevi neste espaço, impôs ao mundo seus dogmas proibitivos, segundo os quais tudo o que é prazeroso passou a ser pecaminoso. Ora, ao menos para mim, é absolutamente óbvio que a absurda legislação proibitiva que vige entre nós com respeito ao tema é um inequívoco corolário dessa afinal, como vemos, nem tão remota mentalidade de épocas inquisitórias. E qual é, sobretudo num sistema capitalista, a lógica conseqüência dessa conseqüência? O mercado negro, a clandestinidade, o lucro escuso dos inescrupulosos, o tráfico enfim! Será que um dia a humanidade entenderá que proibir o que dá prazer é como tentar apagar um fogo jogando gasolina?
Fico assistindo aos referidos acontecimentos nos telejornais e concluo que, mais do que em qualquer outra situação, cabe a tão popular pequena frase... Graças a deus!

Gugu Keller

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Intestinal

Acho curioso observar como muitas pessoas, médicos inclusive, comentam ou perguntam a outrem sobre o horário que o seu intestino funciona...! Oras! Tenho para mim, e que alguém, por favor, corrija-me se eu estiver errado, que, salvo após um razoável jejum, o intestino de uma pessoa funciona constantemente...! Não é isso?

Gugu Keller

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Pegadinha de Deus

Tenho para mim que cada pessoa que morre neste mundo é recebida no outro plano por alguém que de pronto lhe diz... "Olhe para aquela câmera e sorria! Você acaba de participar das "Pegadinhas de Deus"!"

Gugu Keller

sábado, 27 de novembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Rio 40 Graus

Sabem que, vendo tudo isso que está acontecendo no Rio, vem-me toda hora à mente a música da Fernanda Abreu? Coisa louca, né? Ela a lançou, se não me engano, no ano de 92 e é impressionante como está atual...! Aliás, mais do que nunca está atual! Fiquei até pensando... Não ficaria interessante se as emissoras de tv mostrarem as cenas dessa guerra com a música de fundo?

Rio 40 graus
Cidade maravilha
Purgatório da beleza e do caos

Gugu Keller

The Crowd

Quem dera em meio à multidão que volta e meia me aparece no espelho eu ao menos vez ou outra vislumbrasse um rosto amigo...

Gugu Keller

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Gravidez Extra-Uterina

Quem sabe esta vida não seja apenas uma segunda fase da gravidez que nos gera, e a morte, ela sim, afinal, o verdadeiro nascimento...?

Gugu Keller

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Primeiros Passos

De tudo o que me ensinaram na minha infância, o que melhor aprendi foi a ter medo.

Gugu Keller

sábado, 20 de novembro de 2010

Sem Advogado Não Se Faz Justiça

Nesse terrível caso dos adolescentes que agrediram pessoas na avenida Paulista por motivação homofóbica, achei interessante comparar o disse o advogado que os defendia com o que depois mostraram as imagens da câmera que os flagrou no momento em que agiam. Deu-nos uma belíssima amostra da ética que, bem sabemos, sempre norteia a atuação desses ilustres profissionais, sem os quais, aliás, como dizem os adesivos que distribui a sua entidade, "não se faz justiça"...!

Gugu Keller

Dream On, Dream On

Se és o único no mundo a acreditar no teu sonho, comemore! Triste seria o contrário, se nele acreditassem todos menos tu...!

Gugu Keller

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Dream On

Um sonho é possível ou impossível conforme o quanto nele crê o sonhador.

Gugu Keller

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Bury Me Softly In This Womb

Há dias em que a desejo tanto, que já não me basta a cópula. Quero entrar inteiro e, protegido do vazio do mundo, lá quente ficar para sempre.

Gugu Keller

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Ignoerança Maldita

Tendo a crer que todos os tabus que envolvem sexo e drogas são, ainda, por incrível que possa parecer, herança da igreja medieval, que, sabemos, e ainda hoje em boa parte assim é, pregava como pecaminoso tudo o que de algum modo fosse prazeroso.

Gugu Keller

domingo, 14 de novembro de 2010

Projeto de Lei

Fiquei tão estarrecido com o nível das besteiras com que vi um renomado cardeal argumentar contra a descriminalização do aborto, que começo a seriamente cogitar a defesa da criminalização da igreja...!

Gugu Keller

sábado, 13 de novembro de 2010

Verdade Arreganhada

Uma grande amiga minha escritora paranaense usou num texto seu uma expressão que adorei... "Verdade arreganhada"! Apesar de ela a ter escrito num contexto totalmente diverso, fiquei pensando e não pude deixar de a associar ao filme "Tropa de Elite 2". Sim, sem dúvida, quem viu o sabe, aquilo é, de fato e acima de tudo, a nossa verdade arreganhada. Contudo, triste e notoriamente, sendo o Brasil o que é, parece não importar o quanto e quantas as verdades dia a dia se nos arreganhem... Nada nunca muda!

Gugu Keller

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Refluxo

Como é louco este incomensurável desejo que o outro dentro de mim desesperadamente sente pelo eu no corpo dela...!

Gugu Keller

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Sonho

Se você tem um sonho, olhe-se no espelho antes de ir dormir e se pergunte o que você fez por ele no dia de hoje. Se a resposta sincera for "nada", então, por favor, não deixe que amanhã isso se repita. Lembremo-nos sempre do grande Cazuza... "Quem tem um sonho não dança."

Gugu Keller

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Tomara / Contudo

Tomara que seja verdade isso de a pobreza ter diminuído significativamente no Brasil durante o governo Lula! Contudo, e não que eu queira desacreditar estatísticas oficiais ou o que seja, devo dizer a respeito que, como um morador da cidade de São Paulo que todos os dias vai ao centro para trabalhar, e refiro-me ao centro mesmo, à Praça da Sé, só tenho visto aumentar a indigência que, a meio palmo do meu nariz, esmola, agride e biscateia por comida.

Gugu Keller

sábado, 6 de novembro de 2010

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Felicidade

Há coisas nesta vida, em regra as que mais desejamos, que, paradoxal e não raro angustiantemente, só podem ser encontradas quando em definitivo desistimos de as procurar.

Gugu Keller

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Ana

Noite com sol
Água subindo a montanha
Viagem estranha e sem fim
Relógios travados no agora
É o tempo parando para mim

Passos no céu
Teus beijos na minha saliva
Pedaços de um ontem fugaz
Teus peitos na minha mordida
Momentos que o tempo desfaz

Você se foi e o sol gira em torno da terra
Você se foi e as nuvens caíram no chão
Você se foi e o mar ficou doce e vermelho
Você se foi montada no meu coração

É, meu amor
O mundo ficou no teu bolso
E eu já nem sei onde estou
O vácuo tomou o meu corpo
Em mim já não há o que eu sou

É, meu amor
Se a lua brilhou no teu rosto
Do tempo restou o jamais
A vida perdeu o seu gosto
Relógios que andam para trás

Gugu Keller

domingo, 31 de outubro de 2010

Média

Conforme o tempo passa, eu me torno cada vez mais a exata média aritmética entre o quanto eu acredito e o quanto eu receio.

Gugu Keller

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O Melhor

Palmas para Lula pelos seus auspiciosos, e decerto inéditos, 83% de aprovação! Contudo continuo com a opinião de que o melhor presidente que o Brasil já teve foi Jango. Por que? Oras, porque, se os militares fizeram o que fizeram para derrubá-lo e, depois, mesmo no exílio, ainda se preocuparam em o assassinar, ele só pode ter sido o melhor...!

Gugu Keller

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Desnudez

Mesmo que eu tire os calçados e todas as peças de roupa, e que esteja sem relógio, anel, ou brinco, ou óculos, e mesmo que arranque todos os pêlos do meu corpo, por uma total falta de palavras que expressem o que eu preciso, nunca me sinto suficientemente nu.

Gugu Keller

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Tropa de Elite 2, AI-5 e Esperança

Já escrevi neste blog que para mim nada pior do que ouvir, e não raro ouço, pessoas dizendo que as coisas eram melhores na época da ditadura militar... Mas acreditam que assistir ao maravilhoso "Tropa de Elite 2" fez-me ver a coisa de um outro modo? É que fiquei pensando, sabem? Naqueles anos 70, e começo dos 80, quando fui passando de criança para adolescente, era absolutamente impossível, lembro-me bem, dada a conjuntura política, haver um filme como este, mostrando tanta verdade de um modo tão claro e direto, uma ficção que, como facilmente confere quem assiste, poderia perfeitamente ser classificada como documentário. Naqueles tempos as verdades indigestas, mesmo sabidas por todos, eram sempre clandestinas, disfarçadas, mascaradas, não podiam ser ditas, escritas ou, muito menos, encenadas. Contudo havia, concluí, não se pode negar, um importante diferencial... Havia esperança! Sim, havia esperança de que aquele horror um dia acabaria, de que tudo seria afinal revelado e, como é moda hoje dizer, passado a limpo! Mas não. É muito triste constatar que não foi o que aconteceu. Hoje as verdades podem ser ditas, cantadas ou mesmo mostradas em obras primas como para mim é o "Tropa de Elite 2"! Mas e daí? Quem se importa? Quem faz alguma coisa? O que muda? O que mudou? Nada! A esperança literalmente não deu em nada! Sim, nos tempos do AI-5 ao menos havia a esperança de que um dia ele acabaria e o Brasil renasceria pleno daquelas cinzas...! Dizia a canção que "amanhã vai ser outro dia"! E já é outro dia! E não deu em nada! E já nem esperança há! A hipocrisia do fazer escondido foi substituída pela hipocrisia maior ainda do fazer mesmo às claras ciente de que "tudo bem", de que "nada dá em nada"! E tudo bem mesmo! Nada dá em nada mesmo! É isso! O filme está aí, em cartaz Brasil afora, e recomendo a todos que assistam! Mas preparem-se para sair do cinema com a cara estapeada por muitas tristes verdades e, muito pior, com a consciência plena de que trata-se apenas do que todos sempre soubemos e de que é assim que tudo continuará sendo, por muito e muito tempo...!

Gugu Keller

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Poder

O Brasil seria um país muito melhor se os que aqui detém o poder não produzissem tanto em seus cérebros coisas que deveriam produzir apenas cada qual em seu respectivo intestino grosso...!

Gugu Keller

sábado, 23 de outubro de 2010

Pinóquios Às Avessas

Não creio que sobreviva por muito tempo neste mundo alguém que seja constante e totalmente incapaz de mentir. Se conseguir, decerto será na mais completa solidão.

Gugu Keller

Proposta

Assistindo ao telejornal outro dia, pensei numa proposta que eu faria se fosse parlamentar... Sugeriria a inclusão de uma nova palavra na faixa de nossa bandeira... Em vez de apenas "ordem e progresso", "ordem, progresso e chacinas"! Que tal? Não ficaria muito mais apropriado?

Gugu Keller

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Rascunho

Se cada ser humano é, como se diz, uma obra do tal tão grande deus, no meu caso, muito provavelmente, ele contentou-se com o rascunho...!

Gugu Keller

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Desencontro

Já me apaixonei por mim mesmo. Mas infelizmente não fui correspondido.

Gugu Keller

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Elitização

Novamente neste assunto que está na ordem do dia, são tantos os motivos pelos quais sou totalmente a favor da descriminalização do aborto, que daria para escrever um livro a respeito... Uma das conseqüências nefastas de ele ser um crime, apenas para exemplificar, é a sua óbvia elitização... Assim, o que acontece na prática? Uma mulher que tenha um poder aquisitivo razoável, e que pode, então, pagar por um aborto mil, dois mil, três mil reais ou o que seja, procura para fazer um aborto um médico que, mesmo clandestinamente, procederá com um mínimo de recursos, de cuidados, de asseio enfim, para que não haja nenhum risco. Já, por outro lado, as que não têm recursos, ou seja, a grande maioria, como não podem abortar na rede pública, vez hipocritamente tratar-se de um crime, são obrigadas a procurar locais onde se paga pelo procedimento preços irrisórios, trinta, quarenta, cinqüenta reais, entregando-se, assim, aos famosos "açougueiros", que muitas vezes nem sequer médicos são, expondo-se a infecções, hemorragias e várias outras complicações, que tantas vezes, como se sabe, as levam a graves conseqüências, inclusive, não raro, a morte...!

Gugu Keller

domingo, 17 de outubro de 2010

Completude

Não raro me sinto um completo imbecil. Consolo-me então na idéia de que, ao menos, antes o ser do que um imbecil incompleto.

Gugu Keller

The Iscariotes Deep Truth Blues

Ninguém trai, a não ser a si próprio.

Gugu Keller

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Recarregar

Quem dera eu pudesse, de tempos em tempos, tirar férias de mim mesmo...

Gugu Keller

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

terça-feira, 12 de outubro de 2010

10 - 10 - 10

Adoro datas como a de anteontem, 10 - 10 - 10, datas que tem um quê de cabalístico...! São boas, ao menos para mim, para pensar no que tenho feito e no que ainda posso fazer... Que cheguemos pessoas melhores a 11 - 11 - 11, e melhores ainda a 12 - 12 - 12!

Gugu Keller

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Lição

Para mim, tantas vezes tão deprimido e sem vontade de fazer nada, é uma cotidiana lição de vida ver como a minha cadela é capaz de se alegrar infinitamente com um simples passeio de um quarteirão.

Gugu Keller

domingo, 10 de outubro de 2010

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Balanço Positivo

Já repararam como, curiosamente, todo político que se candidata em alguma eleição, por mais que dela saia derrotado, sempre que interpelado pela imprensa diz que faz um balanço positivo da sua campanha e do resultado das urnas? É um otimismo definitivamente impressionante, não acham? Aliás, sabem o que isso me lembra? As pessoas mortas que fazem contato com seus familiares através de centros espíritas ou o que seja. Sim, isso mesmo! Podem observar como, nessa situação, também, invariavelmente, o falecido tranqüiliza a todos e diz que está bem... Curioso, não?

Gugu Keller

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Óbvio

Não gosto de escrever coisas óbvias mas, considerando que isso voltou tão forte à ordem do dia, não custa nada...
PESSOAL, PELO AMOR DE DEUS!!! SER A FAVOR DA DESCRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO É COMPLETAMENTE DIFERENTE DE SER A FAVOR DO ABORTO!!! POR FAVOR, ACORDEM!!!

Gugu Keller

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Grandes Juristas

Acho interessante como os grandes juristas, sobretudo quando se tornam respeitáveis autoridades, adotam alguma parte de seus nomes que então passam a usar como se fossem nomes artísticos, pelos quais preferem ser doravante conhecidos. Apenas para ilustrar essa curiosa tendência, criei, procurando dar peso à sonoridade, uma comissão imaginária de notáveis do direito... Creio que ficou interessante...

Prof. Dr. Esfíncter Barroso
Prof. Dr. Modesto Cidisdeos
Prof. Dr. Calvo Penteado
Prof. Dr. Sugawara Kiryaku
Prof. Dr. Benjamim da Luz

É ou não é de impor respeito?

Gugu Keller

terça-feira, 5 de outubro de 2010

A Montanha Mágica

Como bem sabem os fãs de Renato Russo & cia., o álbum "Legião Urbana V" traz em seu encarte a citação de uma frase de Brian Jones... Such psychic weaklings has western civilization made of so many of us... Já se vão quase vinte anos do lançamento do álbum e mais de quarenta desde a morte do lendário stone, e é impressionante como essas palavras parecem cada vez mais atuais...!

Gugu Keller

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Mad Max Meds

Só espero que depois do fim do mundo permaneçam em funcionamento aos menos as farmácias e os motéis...

Gugu Keller

domingo, 3 de outubro de 2010

Democracia Afinal

Convenci-me de que afinal somos, sim, como sempre fomos e provavelmente sempre seremos, uma democracia. É que atentei para o fato de que o termo "demo" tem outros sentidos além do original grego, "povo", sendo, então, como bem sabemos, por esta versão, democracia, o "poder do povo". Sim, há outros. Um deles, é verdade, obviamente não interessa, que é o "demo" das "gravações demo", no sentido de "demonstração", que fazem os músicos para enviar a gravadoras ou o que seja em busca de um contrato, de, enfim, um lugar ao sol. Este de fato aqui não faz sentido. Mas há um outro sentido de "demo", meus amigos, extremamente popular no linguajar cotidiano do nosso povo, que, parando para pensar, como uma luva encaixa-se no que afinal é decerto a nossa democracia...! Sim! Tanto que já até há muito nos acostumamos com o velho dito que reza que comemos o pão que ele amassa, não é mesmo? É isso, amigos... Eis, afinal, a nossa "diabocracia", ou melhor, desculpem, "democracia"!

Gugu Keller

sábado, 2 de outubro de 2010

Neosaldina Myself Blues

Há dias em que a minha cabeça dói tanto que chego a pensar se não se seria melhor cortá-la fora para que rolasse uma ladeira qualquer abaixo, para longe, bem longe de mim...

Gugu Keller

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Outubro

Outubro. Gosto de outubro. E creio que dois são os motivos... O primeiro é que gosto do número 10. Sim, quando jogava basquete no colégio, minha camiseta, e eu não abria mão, era sempre a 10. E o segundo é que acho "outubro" o mais bonito dos nomes que têm os meses...

Rubro outubro
De se sangrar intacto
E, despido, descubro
Num desconexo ato
O eu e em mim o outro
E, sim, afinal, o átomo
Outubro nos meus ombros
Escombros
E me resgato

Gugu Keller

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Será...?

Às vezes, tomado, confesso, de um extremo desânimo, fico pensando... Será que sou só eu que vejo o quanto é óbvio todo esse engodo e o quanto são gritantes e aviltantes a hipocrisia e a indiferença gerais...? E ainda falam em deus, deus, deus, deus, deus... Deus, e eu é que sou o ateu!?! Ou será que estou perdendo a sanidade...? Ou sou mesmo, o que afinal dá na mesma, o único a o ver com um mínimo de lucidez...? Ah, por favor, um trago! Ou tragada! Qualquer coisa, enfim, que de novo me livre deste agora...!

Gugu Keller

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

domingo, 26 de setembro de 2010

Minhas Músicas - "Paula"

Muitos grandes compositores têm canções que levam como título simplesmente um nome de mulher. Assim, Chico Buarque tem "Beatriz", Tom Jobim tem "Luíza", Lenine compôs "Alzira", Fausto Fawcett, "Kátia Flávia", Adoniran, "Iracema", Chico Science, "Risoflora", Dorival Caymmi, "Marina", Jackson do Pandeiro, "Cremilda", Renato Russo, "Natália", Dinho Ouro Preto, "Natasha" etc... Modestamente eu tenho "Paula"...

PAULA

Quem me dera eu agora tivesse um violão
Pra cantar pra ela
As palavras que juntei e chamei de canção
Pra dizer como ela é bela
Singela Cinderela
Sapatinhos de cristal no olhar

Quem me dera esta espera não fosse uma ilusão
Pintura e tela
Mar, areia, lua cheia, sincera ascensão
À luz de vela ao vento
Secreto sentimento
Sorriso de estrela a brilhar

E que o tempo, que voa
Te traga mais pra perto de mim
É apenas por você que eu canto assim

Ombros e peitos perfeitos qual feitos a mão
Lábios, olhos
Cabelos negros e pêlos, pele, proteção
Dentes, poros e boca
E a palavra fica pouca
Mas escrevo o teu nome aqui

Paula
Toma aqui esta canção
Simples e em vão
Mas do fundo do meu coração

Gugu Keller

Just Singing For a Little While - Crystal

I don´t know............................................................
..................What to say..........................................
.....................................You don´t care....................
..............................................................Anyway.....

Precisar / Precisar de

Vou falar sobre um dos erros de portugês mais comuns que observo o tempo todo em toda parte, e que agora, com a campanha eleitoral, simplesmente parece ploriferar sem limites... Todos os dias temos ouvido nas camapanhas televisivas, e, pior, lido nas legendas que acompanham as falas, que fulano é o "governador que o trabalhador precisa", ou que sicrano é o "senador que o povo precisa", ou que beltrano é o "presidente que o Brasil precisa"! Pessoal, pelo amor de deus! Quem precisa, precisa "de" algo! Então, "governador 'de' que o trabalhador precisa", "senador 'de' que o povo precisa", "presidente 'de' que o Brasil precisa!!! Parece que todo mundo se esqueceu do pobre do "de"! E sabem o que é pior? É que, a rigor, a sua omissão, mais do que ser um claro equívoco, ainda muda o sentido da frase! Sim, isso mesmo! Explico... Existe o verbo "precisar" que significa "necessitar", "carecer de", que é o que "pede" o "de" de que estou falando. Mas existe também o que não o "pede", que é o "precisar" no sentido de "dar precisão", de "tornar exato", de "prever ou calcular com acerto". Ou seja, o sentido é outro! Vejam só, meus amigos, o tamanho da lambança...!
E aqui vão outras dicas... É igualmente errado dizer "o futuro que eu sonho", "o ideal que eu acredito" ou "o pouco que eu me lembro"! O correto é "o futuro 'com' que eu sonho", o ideal 'em' que eu acredito" e "o pouco 'de' que eu me lembro"!

Gugu Keller

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Moeda de 4 Lados

Eu meio que te amo. E meio que não. E meio que te odeio. E meio que não.

Gugu Keller

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Caetaneando

Caetano Veloso é para mim o maior nome da música brasileira em todos os tempos. Cometo, contudo, no presente post, a talvez absurda ousadia de fazer uma crítica a um famosíssimo verso de uma de suas mais consagradas obras, "Sampa"... É que, confesso, nunca consegui aceitar muito bem "só quando 'cruza' a Ipiranga e a avenida São João" assim, com o verbo "cruzar" no singular, apesar de até já ter visto o professor Pasquale dizendo que em poesia tal é perfeitamente possível. Não consigo deixar de pensar que teria de ser "cruzam", o que, claro é, não se encaixaria na métrica da melodia. De todo modo, já que estou me permitindo esta incomensurável audácia, eu sugeriria ao grande Caetano uma outra solução... Que tal se se tirasse o "e" do verso, deixando apenas "só quando cruza a Ipiranga a avenida São João"? Não ficaria interessante? Além de gramaticamente perfeito, seria bacana a possibilidade de interpretar a ambas reciprocamente como sujeito e objeto direto ao mesmo tempo, ou seja, uma cruza a outra e a outra cruza a uma...!
E, já que estou caetaneando, uma confissão, desta vez sem crítica... Jamais consegui entender o sentido do verbo "perder" no singular no verso "enquanto os homens exercem seus podres poderes, motos e fuscas avançam os sinais vermelhos e 'perde' os verdes". Alguém já pensou a respeito? Idéias seriam bem-vindas...

Gugu Keller

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Depressão Pré-Eleitoral

Conforme já escrevi aqui, o horário eleitoral gratuito na televisão mostra coisas que indubitavelmente são de se rolar de rir... Por outro lado, contudo, devo dizer que esta época que antecede as eleições sempre me deixa um pouco deprimido, sabem? É que toda essa movimentação de propaganda, debates, acompanhamento do dia a dia dos candidatos pela imprensa etc, serve, creio, acima de tudo, para evidenciar ainda mais o quanto é gigante a nossa estupidez coletiva e, ao mesmo tempo, a total falta de limites no que se refere ao cinismo e à hipocrisia dessa abútrea caterva de escroques que dela lucram gananciosa e descaradamente cada vez mais.

Gugu Keller

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Morre Fulano de Tal

Como algumas vezes já comentei aqui, a língua é tão cheia de fenômenos interessantes... Os amigos já reparam como, curiosamente, as notícias de jornal, sobretudo as manchetes, costumam falar no presente de fatos que já são passado? Sim. Dizem "morre fulano de tal" quando obviamente ele já morreu, ou "líder ganha de goleada e amplia vantagem", quando é claro que o jogo já acabou e ele já ganhou, ou "polícia invade morro e mata chefe do tráfico", quando foi na véspera que invadiu e matou, e por aí vai... Não é interessante? Imagino que isso tenha a ver com tentar dar à notícia um aspecto mais urgente, ou mais atual, ou impactante, enfim... Mas é uma coisa louca, né? Algo semelhante, observo, ocorre em falas de historiadores... "Getúlio, então, naquela fatídica noite de agosto de 54, surpreende a todos e, num gesto extremo, suicida-se com um tiro no peito...!" Ora, ele já não surpreende! E nem se suicida! Ele surpreendeu quando se suicidou! Até porque, como diz a própria fala, foi em agosto de 54! Há mais de 50 anos!!! Coisas da língua... E como, por essas e tantas outras, ela é apaixonante, não?

Gugu Keller

domingo, 19 de setembro de 2010

Metamorfoses Mentais

É impressionante como coisas que fazem todo sentido em determinados momentos de nossas vidas noutros não fazem nenhum.

Gugu Keller

sábado, 18 de setembro de 2010

Amar é...

Uma das coisas que as pessoas mais costumam tentar definir é o que seja amar. O tempo todo ouvimos ou lemos alguém dizer que "amar é isso", "amar é aquilo", "amar é aquilo outro". Sem dúvida, tratando-se de algo tão abstrato, e potencialmente poético, infinitas tendem a ser as definições possíveis. De todo modo, modestamente, fiquei pensando numa de meu punho para postar aqui... Várias idéias vieram-me à mente mas gostei da de que "amar é um etéreo e poderoso alucinógeno que nos faz ver na vida um gratificante sentido que certamente ela não tem".

Gugu Keller

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

domingo, 12 de setembro de 2010

I Feel You

É muito comum que blogueiros, sobretudo os mais jovens, postem em seus blogs letras de músicas de que gostam, ou que lhes são importantes por alguma passagem, ou que lhes fazem um sentido especial em determinado momento.
Quanto a mim, nunca cheguei a postar nenhuma que não as minhas próprias. Nada contra, é claro, mas sempre preferi escrever coisas de meu punho, afinal as letras dos grandes artistas já estão a vontade por aí, não é mesmo?
Mas hoje dou meu braço a torcer... Há uma canção, da banda inglesa Depeche Mode, "I Feel You", que tem também uma versão muito legal do Placebo, que ultimamente não tenho parado de ouvir, e que diz com precisão tudo o que neste momento estou sentindo, de modo que, postar aqui sua letra aqui emergiu hoje para mim simplesmente como uma verdadeira necessidade...
E, a quem não a conhece, recomendo procurar! Seja com o Depeche, seja com o Placebo, é lindo, lindo, lindo, lindo, lindo! Entra-me fundo em cada víscera!

I FEEL YOU

I feel you
Your sun, it shines
I feel you
Whithin my mind
You take me there
You take me where
The kingdom comes
You take me to
And lead me through
Babylon

This is the morning of our love
It's just the dawning of our love

I feel you
Your heart, it sings
I feel you
The joy it brings
Where heaven waits
Those golden gates
And back again
You take me to
And lead me through
Oblivion

This is the morning of our love
It's just the dawning of our love

I feel you, your precious soul
And I am whole
I feel you, your rising sun
My kingdom comes

I feel you
Each move you make
I feel you
Each breath you take
Where angels sing
And spread their wings
My love's on high
You take me home
To glory's throne
By and by

This is the morning of our love
It's just the dawning of our love

... e como eu sinto!
Ah, vontade de gritar...!

GK

sábado, 11 de setembro de 2010

38

Ando tonto do tanto que tento. E entretanto não tombo, tento. Tento, tento, tento. Tento sempre todo o tento o tempo todo. Tentativas que tateiam meu intento. Total em tudo eu todo tento. O tempo todo, o tento todo, com todo o que nem tenho talento. Eu tento, eu tento, eu tento. Meu tato faz contato, toca atento. Toca o vácuo, toca o vento, e não me atenta contratempo, e nem tortura, e nem tormento. Eu tento. Sempre e a cada momento. E assim será, tentar sempre, todo o tempo, todo o tanto. Tentar tonto, mesmo em pranto ou no apronto. Ao menos até que trave o tempo. Até que a treva traga a terra, o tomo, o tombamento. Até que o tempo tome o dele enfim meu tanto. Até que o tempo enfim estanque, infalível bumerangue, o meu santo e tormentoso sangue tinto. Sangue-tinta, que pinta no papel o alento pouco de que poeta eu me tentei meu tanto todo. Sim. O tanto todo tempo eu tento e pronto. E ponto. Eu tento. Tento, tentei, tentarei. Até o meu tombo tonto e ponto. Fim do tempo. Sangue tinto.

Gugu Keller

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Terrorista?

Como já disse aqui e expliquei o porquê, sempre voto em branco. Contudo é claro que não me mantenho alheio aos acontecimentos e, conforme o pleito se aproxima, cada vez mais fico pasmo com o nível a que são capazes de descer os que já antevêem para si uma inevitável derrota.
Assim, como todos temos visto, muitos membros e simpatizantes do psdb, que, para mim, que sou paulista e funcionário público, é obviamente o que há de pior, deram para referir-se à candidata Dilma Rousseff como "terrorista", ou mesmo "homicida", reportando-se às suas atividades políticas durante a época da ditadura militar.
Então, sem, que fique claro, entrar no mérito do trabalho dela como ministra do governo Lula ou de sua competência ou não para ser presidente do Brasil, este post é para dizer basicamente o seguinte...
Se Dilma foi uma terrorista para lutar contra o horror do AI-5, contra Costa e Silva, Médici e toda aquela caterva de sádicos torturadores, e ainda mais sendo jovem como ela era, então para mim, Gugu Keller, ela é uma heroína! É isso!

GK

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Tipo Assim

É normal, saudável e até belo que cada nova geração tenha as suas próprias expressões, as suas próprias gírias, o seu próprio modo de falar, de se expressar. Creio ter eu tido sempre esta clara e feliz percepção. Contudo confesso que ultimamente tenho ficado abismado com o quanto - e, talvez principalmente, como - os adolescentes de hoje utilizam a palavra "tipo". É impressionante! Observo alguns que parecem incapazes de formular uma única frase sem ter esse "tipo" usado meio que como uma muleta, como se eles não tivessem a devida firmeza para expressar simples e diretamente uma idéia...! Passa-me uma impressão, não sei se quem agora me lê concorda, de que o próprio locutor não tem convicção daquilo que diz e, então, refugia-se no "tipo" como se literalmente dissesse que apenas quer dizer mais ou menos aquilo e, portanto, espera que o ouvinte o tenha enfim mais ou menos compreendido... Abisma-me, repito, e, confesso ainda, não me soa nada bonito.
Digam-me, por favor, os leitores deste blog se, tipo assim, concordam comigo, ou se acham que eu é que estou, tipo, ficando velho!

Gugu Keller

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Condenado

Meu coração é uma penitenciária de sentimentos. Meu corpo, os limites dos seus muros. E, da minha boca, vêm os ecos guturais de uma longa e sangrenta rebelião.

Gugu Keller

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Homens Públicos

Acho engraçado ouvir os políticos intitularem-se "homens públicos". Tal termo para mim aplicar-se-ia bem melhor aos michês...!

Gugu Keller

sábado, 4 de setembro de 2010

O(as) Tempo(mortes) Não Pára(param)

Já reparou que o número de pessoas no mundo mais velhas do que você o tempo todo diminui? Sim, diminui a cada dia, a cada hora, a cada momento...

Gugu Keller

Horário Eleitoral

Já que as nossas autoridades legislativas insistem no absurdo de nos fazer descer goela abaixo esse horário eleitoral gratuito, por que será que não têm ao menos o bem senso de, por exemplo, determinar um rodízio entre as emissoras para exibí-lo? Não seria um mínimo de respeito para com o telespectador que não está a fim de ouvir tanta besteira? Mas seria esperar bom senso demais num país como o nosso, não é mesmo?
Por outro lado, confesso e até recomendo... Vale a pena, pelo menos uma vez, dar uma olhada no horário eleitoral... Há coisas simplesmente inacreditáveis, bizarras e, é claro, de se rolar de rir...!

Gugu Keller

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Interior

Acho curioso o hábito que temos de distinguir a capital do interior de um estado... "Você mora em São Paulo? Na capital ou no interior?" "Esteve no Rio Grande do Sul? Foi só a Porto Alegre ou também esteve no interior?" Ora, "interior" não é o que fica dentro? É, não é? Então, a menos que eu esteja louco, a capital de um estado também fica no seu interior! Ou ficará no exterior do estado?!? Sim, porque ou algo está no interior ou está no exterior, não é verdade? Mas tudo bem... São hábitos que fazem parte desse fenômeno maravilhoso que é a língua, né? Eu é que, como várias vezes já disse aqui, sou mesmo muito chato...!

Gugu Keller

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Poeta / Musa

Guria...
Ser poeta é tentar desesperadamente chegar cada vez mais perto de dizer aquilo que não há como. E ser a musa, qual tu és para mim, é encarnar em todo gesto a doce razão desse desespero.

Gugu Keller

domingo, 29 de agosto de 2010

Juízo Final

Outro dia, vimos na tv, durante uma tourada na Espanha um touro saltou sobre o público e deixou feridas dezenas de pessoas. Ontem, em Barretos, na final de um concorrido rodeio, o touro não apenas derrubou o peão como deu-lhe uma chifrada na cabeça, levando-o a nocaute imediato. Pois bem... Querem saber a minha opinião? Bem feito! Sim, isso mesmo! Bem feito! E digo mais... Se o peão tivesse morrido ou ficado inválido, igualmente seria bem feito! Se morre o toureiro ou alguém que incentiva esse tipo de coisa, muito bem feito! É! Para mim é o destino perfeito para quem se diverte, ou, pior ainda, ganha dinheiro, torturando e humilhando animais!
Ah! Ainda sobre o episódio de ontem em Barretos, adorei o nome do touro... "Juízo Final"! Sou ateu mas quem sabe haja mesmo um, e esses sádicos haverão então de acertar suas contas... Ai, como adorei...!

Gugu Keller

Mundo / Planeta

Ontem, no Jornal Nacional, um dirigente do Corínthians, referindo-se ao projeto do novo estádio do clube, que será, segundo se diz, o local do jogo de abertura da copa de 2014, disse algo que cri interessantíssimo... Segundo ele, não teria cabimento São Paulo não ser uma das sedes, já que "a copa do mundo é um dos maiores eventos esportivos do mundo, e, talvez, até, um dos maiores do planeta!"

Gugu Keller

sábado, 28 de agosto de 2010

Teen

Observando os adolescentes e, sobretudo, lembrando-me da minha adolescência, concluo... É decerto a última fase da vida em que algo ainda faz algum sentido.

Gugu Keller

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Want

Quero tudo e todos, e, ao mesmo tempo, nada nem ninguém.

Gugu Keller

Varal

Caminhava eu perto do tribunal em meu horário de almoço, quando uma mulher, de seus 40 anos, abordou-me...
- Moço, você sabe onde fica o prédio da justiça?
Como, além do palácio do tribunal, onde trabalho, há, bem ali ao lado, o prédio do fórum central e também o das varas da fazenda pública, perguntei...
- Qual deles? Há mais de um por aqui...
Disse ela então, para minha total pasmice...
- É o lugar onde pega o varal!
- Onde pega o quê???
- Varal!
- Varal???
- Sim!
Fiquei intrigadíssimo. Que diabos seria aquela história de "pegar o varal" no "prédio da justiça"?!?
- Desculpe, mas não estou entendendo... Que tipo de varal seria esse no prédio da justiça?
- É que o meu marido tá preso, moço! Mas o "adevogado" disse que o juiz ia dar o "varal" para ele sair...!
Finalmente entendi! Era alvará!
Saí caminhando e rindo tanto, mas tanto... Mas logo já não. Afinal, isso é tão triste, não é mesmo?

Gugu Keller

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Para Quem Gosta de Inglês...

Se você gosta de inglês, leia isso depressa...
Depois, melhor ainda, tente repeti-lo sem ler...

A tutor who toots the flute
tried to tutor two tooters to toot
Say the tooters to the tutor "is it tougher
to toot or to tutor two tooters to toot?"

GK

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Tarda mas não falha...?

Acho tão engraçado ouvir que "a justiça tarda mas não falha"... Na minha modesta opinião, tardar é uma grande falha!!! Ou não?

Gugu Keller

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Doa a Quem Doer...?

Forte, "a verdade, doa a quem doer" é uma antiga expressão bastante usada em diversas situações. O grande Humberto Gessinger, meu ídolo, cujo trabalho, como já neste espaço mencionei, admiro demais, utilizou-a na lindíssima "Piano Bar", num verso em aliteração bastante interessante que diz "diga a verdade, doa a quem doer, doe sangue e me dê seu telefone"...! Adoro!
Contudo, chato que costumo ser, pensando, nem sei bem por que, hoje sobre esta expressão, constatei que ela tem um equívoco óbvio... Já perceberam? Ora, uma dor dói "em" alguém e não "a" alguém, não é verdade? Portanto a expressão está errada! Não pode ser "a verdade, doa "a" quem doer", mas "a verdade, doa "em" quem doer"! Acho que é isso, não? "A verdade, doa em quem doer!"
É mesmo curioso como nos acostumamos a expressões que ouvimos desde crianças e muitas vezes acabamos não nos dando conta de que várias delas estão gramaticalmente equivocadas...

Gugu Keller

domingo, 22 de agosto de 2010

Às Portas do Templo

Ateu que sou, não creio que Jesus tenha existido. Trata-se, assim penso, de uma história inventada. Há, contudo, não nego, inúmeras passagens interessantes nessa para mim fantástica ficção, como a frase abaixo a ele atribuída, a qual, por mais que direta e precisa seja, clara e curiosamente não parece em nada ter servido para abrir os olhos dos tantos bilhões que mundo afora o dizem seguir de modo fanático...
- Hipócritas, ai de vós!

Gugu Keller

sábado, 21 de agosto de 2010

Um ano!!!

Com muita alegria para mim, hoje, 21 de agosto, o blog Gugu Keller está completando o seu primeiro aniversário! Foram 345 postagens, mais de 2.500 visitas e já são 31 os seguidores! Então só me resta agradecer profundamente a todos os que aqui vêm ou vieram, quer tenham deixado comentários ou não! É para mim uma grande honra que tenham lido coisas que eu escrevi! Espero ter conseguido de alguma forma acrescentar idéias e provocar reflexão! E, uma vez mais, um obrigado muito especial à minha querida Sheila Maseh, grande amiga escritora gaúcha que foi quem me deu a idéia de criar este espaço... Obrigadíssimo, querida! Te amo demais, viu?
E, aproveitando o momento, gostaria de fazer uma sugestão a todos os blogueiros que há por aí... Em boa parte dos blogs que visito, como no meu, quando se faz um comentário a algum post, ele é automaticamente exibido. Já noutros, e é para os donos destes que vai esta sugestão, o comentário é salvo para ser exibido apenas depois de lido e aprovado, o que alguns chamam de processo de "moderação". O que sugiro é que não haja mais isso. Que todos os blogs, como o meu e vários outros, sejam sempre espaços livres para que todos digam o que quiserem, independentemente de nenhum tipo de censura ou triagem por parte de seus respectivos donos! Com o devido respeito a quem não concordar, é o quanto, em nome da para mim sagrada liberdade de expressão, a todos sugiro!
Muito obrigado!

Gugu Keller

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Implosão

Tudo de que um sentimento precisa para agigantar-se dentro de mim é que eu lute contra ele.

Gugu Keller

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

terça-feira, 17 de agosto de 2010

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

"Faroeste Caboclo" e o Crime de Estupro

É perfeitamente compreensível que a grande maioria das pessoas que não têm formação jurídica possam algum dia ter cometido o erro de dizer que um homem foi vítima de estupro. Até a recente reforma no código penal isso não era possível. É que o artigo que previa esse crime dizia que o estupro se dava quando se constrangia, mediante violência ou ameaça, uma mulher à conjunção carnal, que é a introdução do pênis na vagina. Ou seja, ao contrário do que muitos leigos podiam imaginar, até a referida reforma na lei, constranger um homem ao sexo anal, não constituía estupro. A uma porque não teria como haver conjunção carnal e, a duas, porque o artigo dizia expressamente "constranger mulher". É claro que, em tal situação, teríamos um outro crime, o atentado violento ao pudor, consistente em se constranger alguém (mulher ou homem) a um ato libidinoso diverso da conjunção carnal, como, por exemplo, o sexo anal.
E eu sempre ficava pensando nisso quando ouvia "Faroeste Caboclo"... É claro que o grande Renato Russo, que não tinha nem vinte anos de idade quando compôs esta obra prima, não ia saber àquela altura sobre essas minúcias da nossa lei penal, e, no verso "violência e estupro de seu corpo", ele, clara e, portanto, equivocadamente, refere-se à violência sexual sofrida na prisão pelo personagem da música, o famoso João de Santo Cristo, ou seja, obviamente sexo anal... E, não sei se exageradamente, eu achava isso uma pena, imaginando que o Renato, como grande gênio que foi, devia ser perfeccionista com o que escrevia...
Mas o interessante é que isso mudou para fazer com que agora, quatorze anos depois de sua morte, e mais de trinta depois de ter composto a música, ele esteja certo... Sim! É que, pela recente mudança no código penal de que falei, agora qualquer ato libidinoso praticado mediante violência ou ameaça, seja a conjunção carnal, seja sexo anal, oral, ou mesmo um beijo ou bolinação, e seja contra mulher ou homem, constitui crime de estupro! Sim! Os nossos legisladores houveram por bem, e não cabe aqui discutir o porquê, ou se é melhor ou pior, jogar tudo no estupro, ou seja, agora um homem pode, sim, perfeitamente, ser estuprado, e, afinal, "Faroeste Caboclo" já não tem mais o seu pequeno erro jurídico...! Será que dá para se dizer que até nisso o nosso poeta foi um visionário?

Gugu Keller

sábado, 14 de agosto de 2010

Orgasmo

O verdadeiro gozo não é o que se busca no sexo, mas o que dele é uma espontânea conseqüência.

Gugu Keller

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Em Branco

Nestas épocas que antecedem as eleições, sobretudo a presidencial, é comum as pessoas ficarem perguntando em quem vamos votar... Eu, para às vezes algum espanto de muitos que me conhecem, como sempre, votarei em branco! Sim, isso mesmo! Em branco para tudo! E explico o porquê... É que considero simplesmente insuportável que o voto seja obrigatório num país que se pretende uma democracia! Ou alguém já ouviu falar de alguma democracia séria em que as pessoas são forçadas a votar? Absurdo! É uma convicção de que dificilmente me demoverei! Enquanto for obrigatório, só voto em branco! Direito a que se é obrigado, na minha modesta opinião, não é direito! Não! Obrigado, não!

Gugu Keller

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

"Ninguém é uma Ilha"

Diz certa frase, até já meio batida, que ninguém é uma ilha. No que me toca, parece-me correto. É que amiúde dentro de mim mesmo observo tantas e tão obscuras profundezas, que sinto-me, isso sim, o mar inteiro.

Gugu Keller

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Mistérios...

O Brasil tem tantos mistérios, não é mesmo? Sobretudo no campo jurídico... Por que será, por exemplo, que, quando todos sabemos que os juros que os bancos praticam em nosso país são ilegais, nenhuma autoridade toma alguma medida para o impedir? Misterioso, não?

Gugu Keller

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Espelho Intravisor

Não, eu jamais faria mal a mim mesmo! Há, contudo, dentro de mim um outro eu, que, sim, este sim, definitivamente, o tempo todo é só o que faz...!

Gugu Keller

domingo, 8 de agosto de 2010

Correndo em Círculos

Bem observando-nos, impressiona-me o quanto quase sempre temos tanta pressa para, em regra, quase nunca chegarmos a nada...!

Gugu Keller

Fé Invejável

Sexta-feira eu estava na escada rolante do metrô a caminho do trabalho e, ao meu lado, um sujeito falava com energia no celular. A certa altura, deixando-me pasmo, disse o seguinte para quem do outro lado...
- Vamos fazer assim... Hoje à noite eu vou orar a deus, e amanhã de manhã eu te ligo pra te dizer o que deus me passar, ok?
Que fé, hein? Que convicção! Parece até uma linha direta, talvez via fax, ou algo assim... Fiquei tão impressionado que quase pedi para que ele aproveitasse a oportunidade e mandasse ao senhor um abraço em meu nome...! Mas acabou que não tive coragem...

Gugu Keller

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Endereços Estranhos

Outro dia, lá no tribunal, uma estagiária pediu carga de um processo. Quando, ao preencher o livro com seus dados, perguntei-lhe o seu endereço, ela respondeu...
- Rua São Bento, 180, lado par!
Achei tão interessante esse "lado par"...! E importante, né? Afinal, se não constar, alguém pode confundir com o 180 do lado ímpar...! Mas hoje, para minha surpresa, aconteceu, na mesmíssima situação, algo ainda mais curioso... Era uma outra estagiária, que assim me forneceu seu endereço...
- Rua praça da Sé, 270!
Eu conheço bem a praça da Sé! Mas dessa rua, confesso, jamais ouvi falar...! Será que também é ali por perto?

Gugu Keller

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Besteirinhas Jurídicas

Como se chama, acredito que todos o saibam, o remédio jurídico cabível quando alguém é mantido preso ilegalmente?
R... Habeas corpus!
Agora... Como se chama o que cabe quando a um preso é negado o direito à vista íntima?
R... Habeas pênis!
E se o preso for homossexual?
R... Habeas ânus!

Gugu Keller

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Por Favor, Doutor Luiz Augusto!

Há não muito tempo, não sei se os amigos se recordam, houve um caso bastante interessante, parece-me que no Rio de Janeiro, de um juiz de direito que processou o porteiro de seu prédio porque este não lhe chamava de doutor ou de senhor, mas apenas diretamente pelo primeiro nome. O juiz a quem coube julgar a causa em primeira instância, ao menos na minha modesta opinião, foi perfeito ao decidir que a ação era improcedente na medida em que nenhuma lei obriga ninguém, em nenhuma circunstância, a usar tais termos para se dirigir a quem quer que seja, e, como todos os que temos um mínimo de conhecimento jurídico estamos cansados de saber, já que está escancarado em nossa constituição, neste país ninguém é obrigado a nada senão em virtude de lei. Mais tarde, segundo li, em grau de recurso, o tribunal, sabe-se lá baseado em que, já que na lei decerto não foi, estranhamente acabou por dar ganho de causa ao magistrado...
Relembrando esse caso e refletindo a respeito, tive vontade de escrever o presente post para compartilhar com os amigos uma opinião que sempre tive... Sou totalmente contra o uso dessas formas de tratamento! Por que, afinal, essa quase que obrigatoriedade - no caso acima, como vimos, obrigatoriedade mesmo - de se usar esses termos como senhor, doutor, excelência etc para se dirigir a quem quer que seja? Será que ninguém percebe que isso é um claro resquício de tempos medievais, ou mesmo da antigüidade, quando as pessoas eram separadas em castas ou classes, quando havia escravos, senhores, pessoas que eram donas umas das outras, nobres, servos, vassalos e tudo mais? Não vêem que isso é fruto de uma mentalidade claramente elitista e excludente? Não vêem que é praticamente uma forma dissimulada de aparthaid? Por que aquele que teve a oportunidade de cursar uma determinada faculdade deve ser chamado de doutor? Será que ele é mais do que alguém? "Ah, mas é uma questão de respeito", dirão alguns...! Mas será que quem teve oportunidade de estudo merece mais respeito do que quem não? Quem exerce determinado cargo, o mesmo tanto? Ora, acredito, e que me corrija quem discordar, que todos somos dignos do mesmo grau de respeito, seja qual for o nosso grau de instrução, seja qual for o cargo que ocupamos, seja qual for o nosso nível social, cultural ou econômico! Será que estou errado? Se não estou, por que então esse tratamento diferenciado, essa quase que literal subserviência através das palavras?
E a coisa de se usar o senhor ou senhora por causa da idade? Será que faz sentido? É cristalinamente óbvio que às pessoas mais velhas deve-se respeito! Mas não mais do que às mais jovens, ora bolas!!! Ou será que estou falando besteira? O mesmo respeito que se deve a um idoso é devido a um adulto jovem, a um adolescente ou a uma criança, como não? Todos, insisto, piamente acredito, somos dignos do mesmo respeito! Por que então essa diferenciação?
E já reparam os amigos a que nível chega essa mentalidade? Se o sujeito é doutor - e, aliás, normalmente, diga-se de passagem, no Brasil se está de terno já o é -, ou se é, ao menos, um senhor, o tratamento é um... Se não, se é um reles "joão ninguém", a coisa muda totalmente de figura... Já não é mais devido o mesmo respeito, já não é dispensada a mesma consideração... E isso, meus amigos, facilmente se observa, acontece praticamente em todos os ambientes!
Bom... Quanto aos cargos em que se costuma usar o "excelência", aí a coisa já beira a piada, o ridículo, a pantomima... Parece que somos simples mortais que nos dirigimos a divindades, de novo, e aqui ainda muito mais, como se essas pessoas fossem mais dignas de respeito do que os outros...!
É... Há coisas em que não se pára muito para pensar... Tanto se fala em construir-se uma sociedade mais justa, mais humana, mais fraterna, não é mesmo? Pois eu digo que, enquanto houver nas cabeças esse tipo de mentalidade elitista, diferenciadora, excludente, discriminatória até, jamais sequer chegaremos perto desse tipo de ideal...!
E, voltando ao caso do juiz e do porteiro... Como pode alguém sentir-se ofendido por ser chamado por seu nome? Não é para isso, afinal, que servem os nomes? Ou será que ele acha o seu nome tão feio assim?
Eu sou bacharel em direito e, antes de me tornar funcionário público, já fui advogado. Que tal se, quando alguém me chamar de Gugu, eu disser... "Por favor! Gugu não! Doutor Luiz Augusto! Ou eu te processo!" Brincadeira, né?

Gugu Keller

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

PG

É mais ou menos assim... Uma dia você se rasga ao meio e passa a ser duas metades, até que, num outro dia, um novo rasgo total, e aí já são quatro partes, e depois outro, e você já está em oito pedaços, e assim vai, outro, dezesseis, e outro, trinta e dois, sessenta e quatro, e você vai se rasgando, se partindo, se desmanchando nessa PG auto-aniliquiladora, e logo os pedaços de você já serão tantos que fica impossível até mesmo ordená-los qual fossem peças de um quebra-cabeça, e mais, e mais, e você se rasga mais, se rasga mais, até que, afinal, irreconhecível até para si mesmo, você já é apenas pó...!

Gugu Keller

domingo, 1 de agosto de 2010

Relógio

"Tique-taque". Ou "tic-tac". Ou, em inglês, "tick-tock". Popularmente este é o som que faz um relógio. Inequivocamente, contudo, se pararmos para pensar, é também, e talvez muito mais, o som dos passos da morte, que, para todos nós sem exceção, a cada instante que se vai, mais e mais se aproxima, numa clara e inexorável rota de colisão. Sim, eu posso ouvi-la bem agora, cada vez mais próxima! Tique, taque, tique, taque, tique, taque... Você, que me lê agora, ouve aí também?

Gugu Keller

sábado, 31 de julho de 2010

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Descarte

Existir é tão comum, tão vulgar e entediante... Definitivamente, tanto quanto a pessoas quanto a coisas ou idéias, prefiro tudo o que não tem esse tão óbvio atributo...!

Gugu Keller

quarta-feira, 28 de julho de 2010

terça-feira, 27 de julho de 2010

Quem Não Tem Colírio...

Até por nunca ter me interessado por ter um par e nem jamais sentido qualquer necessidade de os usar, talvez isso seja uma excêntrica implicância de minha parte, mas o fato é que, sempre que vejo alguém de óculos escuros, tenho a sensação de que é muito mais para ser visto com eles do que para proteger os olhos do sol ou de alguma outra claridade eventualmente excessiva... O que acham os amigos? Faz algum sentido ou é mais uma das minhas chatices?

Gugu Keller

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Cansaço

Tudo bem... Eu não quero morrer. Contudo, confesso, há dias em que me sinto tão cansado que a idéia de dormir para sempre não me soa nada mau...

Gugu Keller

domingo, 25 de julho de 2010

O Teatro dos Vampiros 2

Tendo ido nesta última sexta-feira a um show da maravilhosa Priscila Borges, adorei, dentre muitas outras coisas que ela cantou, a sua versão de "O Teatro dos Vampiros". Trata-se de uma canção que há um bom tempo eu não ouvia e sobre a qual depois fiquei pensativo a respeito, na medida em que, até hoje, não compreendi o nexo, se é que há, entre o título e a letra. Já ouvi alguém dizer, não sei se é verdade, que a música originalmente falaria sobre a televisão, sendo esse título uma referência à novela "Vamp", no ar quando do lançamento do "Legião Urbana V", e que, apesar de a letra ter tomado um outro rumo, Renato Russo o manteve... Não sei, repito, se foi de fato assim, mas, de todo modo, por adorar a imagem, fiquei pensando e cheguei à conclusão de que "O Teatro dos Vampiros" é um título que com perfeição se encaixaria numa música, ou mesmo num livro, que falasse sobre os ocupantes dos cargos poder no Brasil...! Sim, isso mesmo! Afinal, ao menos para a minha modesta percepção, é exatamente o que ocorre! São pessoas que claramente desempenham uma farsa, um embuste, uma tragicômica pantomima, uma teatral performance onde representam a democracia, o estado de direito, a busca por justiça e igualdade social etc, quando, por outro lado, continuamente, e todos os que temos um mínimo de discernimento bem o sabemos, literal e cruelmente vampirizam o nosso país e seu pobre povo...! O que pensam os amigos? Acompanhando as notícias do nosso cotidiano, não é exatamente o que vemos? Não é tudo um grande faz-de-conta a acobertar a farta engorda dessas insaciáveis sanguessugas? Dráculas modernos acastelados em perene fingimento!?! Quem sabe eu, humildemente, algum dia escreva algo a respeito... Uma canção, um livro, um conto talvez, a que darei o nome de "O Teatro dos Vampiros 2"...

Gugu Keller

quinta-feira, 22 de julho de 2010

terça-feira, 20 de julho de 2010

segunda-feira, 19 de julho de 2010

domingo, 18 de julho de 2010

Equivalência

Tragédia tão grande quanto a da morte precoce só mesmo a de se envelhecer.

Gugu Keller

sábado, 17 de julho de 2010

Deus

Não apenas tendo a crer que Nietzsche estava certo, como desconfio que a causa mortis tenha sido suicídio.

Gugu Keller

Provavelmente

Ninguém tanto quanto os imortais pensam em suicídio.

Gugu Keller

Nunca

É muito comum, sobretudo em momentos de indignação, que as pessoas perguntem num tom de exclamação... "Onde é que nós vamos parar?!?" Sinceramente espero que não paremos nunca em lugar nenhum, que, seja como for, sigamos sempre e indefinidamente adiante...!

Gugu Keller

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Solução

Talvez a única solução para nós fosse alguém convencer deus a procurar um psiquiatra...

Gugu Keller

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Homens de Peruca

Sei que vai soar como uma confissão bastante estranha, mas a verdade é que adoro me deparar com homens de peruca! Sim! E explico o porquê... É que acho um grande barato dar-lhes uma boa e acintosa olhada bem no alto da cabeça só para ver as suas reações...! Experimentem! É simplesmente fantástico!

Gugu Keller

quarta-feira, 14 de julho de 2010

O Cão

Eram quase onze da manhã de ontem, terça-feira, dia 13. Chovia e fazia muito frio quando saí do metrô na praça da Sé, bem ao lado do tribunal. Entrei no "Empório Doce" e comprei um pacote de bolachas e duas garrafas de "H2Oh", coisas de que gosto para "beliscar" durante o dia.
Bem agasalhado e sob um guarda-chuva aberto, dirigi-me para a entrada do prédio, até que, tímido, encharcado, assustado, decerto faminto e trêmulo de frio, eu o avistei com as orelhas de pé a observar a escadaria. Um cão. Um vira-lata marrom claro de porte médio, magro de uma magreza a deixar evidentes os ossos do seu tórax, as suas vértebras. Quieto, parado, com uma expressão de tristeza intensa, de um desespero contido porém dilacerante, ele fitava os passantes com o que parecia um fio de esperança em receber alguma migalha, fosse de algo comestível, fosse ao menos de alguma forma, ainda que breve, de atenção. Aproximei-me e recebi de soslaio um olhar penetrante, que de pronto me atravessou as vísceras, tocando-me a alma. Era um olhar de quem só pedia uma chance, um alento, apenas um pouco de algum alívio, qualquer que fosse, um olhar de quem apenas pedia para conhecer um pouquinho desta vida sem todo o tempo tanta dor e privação.
Assobiei e ele aprumou ainda mais as orelhas. Eu tinha que fazer alguma coisa. Enfiei a mão no saco plástico do "Empório Doce" e peguei o pacote de bolachas. Abri e dei-lhe uma. Ele cheirou e a comeu com voracidade, como se agora mastigasse, doce, uma preciosa chance de mais um pouco de sobrevivência, esse instinto então já para mim tão racionalmente questionável. Dei-lhe outra, e outra, e outra. Precisava entrar. Sou funcionário público e tenho que "bater" o ponto. Estava em cima da hora. Ele comia. Despejei então todo o pacote. Até cheguei a pensar que lhe poderia fazer mal se comesse tudo, já que eram das recheadas de chocolate. Mas preferi correr o risco. Depois de ver aqueles olhos, aquele frágil corpo ali tremendo, aquele tão dolorido apelo de quem nem sequer tem como falar, pareceu-me a única coisa a fazer...
Subi as escadas. Ainda olhei para trás e o vi pela última vez dando cabo energicamente das bolachas no chão molhado diante de si. Fui-me. Mas, mesmo feliz por lhe ter talvez aliviado um pouco a fome, eu me sentia meio que envergonhado em meu íntimo... Eu podia ter ido comprar mais comida para ele, um salgadinho talvez, um sanduíche, um bife, um prato completo, o que fosse... Eu podia trazê-lo para a minha casa, dar-lhe um banho quente e um lugar aconchegante para dormir... Eu podia abraçá-lo, beijá-lo e fazê-lo sentir que agora ele teria alguém que cuidaria dele e que nunca mais lhe deixaria faltar nada, que nunca mais ele passaria nenhuma necessidade... Mas não! Não fiz nada disso! Mesmo que financeiramente não me fizesse nenhuma diferença acolhê-lo, e, pior, mesmo que meu coração até me dissesse para o fazer, acabei optando por não abrir mão da minha tão confortável rotina. Afinal, moramos em apartamento e já temos uma cadela... Como aparecer com outro assim? É... Sou mesmo egoísta demais para isso... Se ele estivesse a ponto de morrer de fome, eu talvez o tenha salvo com aquelas bolachas, mas por quanto tempo? É... Ele lá ficou e eu segui escada acima... Covarde e omissivamente deixei-o para trás...
Foi um dia tão amargo para mim... Um amargor que nem todas as bolachas de chocolate do mundo tirariam da minha boca... Será que voltarei e vê-lo? E, se voltar, farei enfim o que o meu próprio coração me ordena? Provavelmente não... Querem saber? Odeio-me! Desprezo-me! Abomino-me! Envergonho-me de meu comodismo, de minha hipocrisia, de minha omissão!
Hoje, quarta-feira, dia 14, também chovia e fazia frio de manhã... Mas ele não estava lá...

Gugu Keller

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Sem Título

Olhos abertos, parede
Olhos fechados, abismo
Lágrima, lento batismo
De afogamento e sêde

Gugu Keller

domingo, 11 de julho de 2010

Sonho

Sonhei na noite que passada que minha cabeça e meu coração dialogavam com palavras que eu podia ouvir, e, engraçado, parecia até um diálogo típico do filmes de aventura da sessão da tarde...
Dizia ela a ele...
- Você tem certeza de sabe para onde está nos levando?
E ele...
- Mas é claro que tenho!
E ela...
- Pois eu acho que nós estamos perdidos...!
Ele...
- Não estamos, não! É este o caminho, eu tenho certeza!
Uma pausa e ela insiste...
- Você não está vendo que estamos andando em círculos?
Ele, irritado...
- Quer calar essa boca? Eu sei o que estou fazendo...!
E ela, enfim, meio que só para si...
- Hum... Espero que saiba mesmo...

Gugu Keller

Desânimo

Os amigos podem acreditar, novamente sobre o caso Eliza Samudio, que ouvi de pessoas pretensamente esclarecidas comentários do tipo "Também... Ela era uma puta mesmo!", como se isso pudesse ser alguma justificativa ou atenuante para o que aconteceu? Chega a me bater um desânimo, sabem? Confesso que não sei o que é pior... Se é o crime em si ou se é observar que há gente ao meu redor, e gente que, ao contrário da maioria do povo brasileiro, teve acesso a uma razoável escolaridade, que aos quatro ventos manifesta esse tipo de mentalidade...

Gugu Keller

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Circo Armado

É... Conforme se pode ver, para claro deleite da nossa mídia parasitária da tragédia, como talvez nunca antes, o circo está armado! Sim, o assassinato de Eliza Samudio tem tudo para bater todos os recordes de audiência do caso Isabella Nardoni! Afinal, a vítima era uma moça extremamente atraente, que fez, inclusive, trabalhos voltados para a indústria do erotismo, e o acusado é nada menos do que o goleiro titular do clube de maior torcida do Brasil, ou seja, não poderia haver melhores ingredientes para essa deprimente e profícua indústria do sensacionalismo! Vocês conseguem imaginar, meus amigos, o quanto ainda vamos ouvir sobre esse crime? Repararam que a copa do mundo ainda nem acabou e ninguém mais nem fala no fiasco da seleção brasileira, na teimosia de Dunga que deu no que deu e nem na tão profeciada expulsão de Felipe Melo? Fico imaginando como será se o tribunal do júri condenar o goleiro Bruno... Sim, pois se quando da condenação do casal Nardoni, já houve toda aquela queima de fogos, teremos decerto um espetáculo pirotécnico como jamais se viu, afinal estarão então juntas para soltar rojões, provavelmente num autêntico clima de final de campeonato, as torcidas do Vasco, do Botafogo e do Fluminense, todas decerto sentido-se catártica e histericamente vencedoras...!
Isso é Brasil, minha gente! Que crime horroroso...! E que horror a maneira como se explora a sua divulgação...!

Gugu Keller

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Paraíso Perigoso

Como ele mesmo cantou, o tempo não pára! Tanto que ontem, dia 7, completaram-se 20 anos da morte do senhor Agenor de Miranda Araújo Neto, grande, inigualável ídolo da minha geração, gênio, fenômeno, poeta maior. Quanta saudade, quanta falta ele nos faz...! Bem... Se alguém ainda não sabe de quem falo, ele era mais conhecido pelo apelido, Cazuza! Pois é... 07-07-90! 20 anos! E parece que foi ontem, não? Quanta tristeza, quanto sofrimento, e, ao mesmo tempo, quanto coragem e dignidade! Que grande lição ele nos deixou! Que grande coração, que grande espírito, que grande homem! Ainda me lembro da manchete de jornal no dia seguinte... "Fim da resistência"! Foi uma das coisas mais tristes que já vi... Mas ele ainda está aqui, bem agora, entre nós! Eu, por exemplo, sou um que jamais deixarei de apreciar sua obra e de levá-la em sua grandeza ao conhecimento das gerações mais jovens... É! Enquanto eu viver, no pouco que posso fazer, não o deixarei morrer! Até porque é tudo tão atual, não é mesmo? Estou sempre descobrindo coisas novas, sentidos novos em tantos versos tão mágicos... Recentemente, ouvindo "Bete Balanço", uma música de 84, foi que me dei de como é bela a expressão "paraíso perigoso"! Sim, parece incrível mas o fato é que 26 anos depois eu meio que estou apaixonado por essas duas palavras juntas! Daria até um bom nome para um livro, não acham? E um livro, é claro, sobre a noite! Ah, a noite...! Cazuza era tanto da noite, gostava tanto de cantar a noite...! É... "Paraíso perigoso"! E ainda hoje, e hoje ainda mais do que nunca, não é isso exatamente o que a noite é? Que, então, por ele e para ele, Cazuza, ela, a noite, hoje e para sempre se faça, paradisíaca, perigosa e, sobretudo, como amiúde nos seus versos, maravilhosamente fascinante!

Gugu Keller

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Eu tento...

Sim, admito, eu tento mesmo escrever... Mas são tão poucas e superficiais as palavras... E tantas e tão profundas as angústias...

Gugu Keller

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Teratológico Paradoxo da Existência

Tão tenebroso para um homem quanto não atingir seu objetivo é atingi-lo e não ter um outro.

Gugu Keller

sábado, 3 de julho de 2010

Auto-crítica

Sei que provavelmente sou um chato. Mas é que, ao contrário da esmagadora maioria, não gosto e nem consigo fingir-me de feliz.
 
Gugu Keller

sexta-feira, 2 de julho de 2010

2 de Julho

Uma interessante curiosidade sobre o dia 2 de julho, e eis por que gosto dele, é que, e poucos, creio, já pararam para pensar nisso, ele é o exato meio do ano. Sim. Se um ano tem 365 dias, são 182, o 2 de julho, e depois mais 182. Assim, como hoje se deu, o seu meio-dia é o momento exato em que o ano se divide em dois. É claro que isso não vale para os anos bissextos, quando então a metade exata se dá à meia noite, doze horas antes. De todo modo, é interessante observar que, conseqüentemente, o dia 1º de julho, mesmo sendo considerado, por ser já o mês 7, o primeiro do segundo semestre, a rigor ainda está na primeira metade.

Gugu Keller

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Eterna Gratidão

Aos dignos representantes da igreja católica e a todos os que, como eles, reprovam intransigentemente qualquer possibilidade de que sequer se discuta a idéia da descriminalização do aborto entre nós, o que, na modesta opinião deste que humildemente escreve as presentes linhas, seria, por inúmeras razões, algo de extremo bom senso, fica aqui registrada a eterna gratidão dos não poucos que Brasil afora tanto lucram em clínicas clandestinas a o praticar a toque de caixa. De fato, tal mudança legal, a meu ver, insisto, de gritante acerto em termos de razão, decerto levaria à ruína o seu tão rentável negócio, não é verdade? Sim, certamente são muito gratos!

Gugu Keller

terça-feira, 29 de junho de 2010

One Night Stand

Este post é uma pequena reivindicação...
Como todos sabemos, usa-se hoje o termo "ficar" para se designar a troca de carícias íntimas, beijos, abraços etc, ou mesmo a consumação do ato sexual entre um casal sem nenhum tipo de compromisso. Cada vez mais, em toda parte, as pessoas parecem estar "ficando"... Até aí, tudo bem! Contudo o que eu aqui gostaria de abordar é que não assiste razão aos não poucos que crêem que isso veio com a geração que foi adolescente nos anos 90! Absolutamente não! Saibam, meus queridos leitores, que lembro-me muito bem de que o começo do "ficar" foi por volta de 1983, 1984, quando eu tinha meus 18, 19 anos! É! Sim, senhores! Muitas vezes, já naquela época, eu e muitos amigos meus "ficávamos" com as garotas! Aliás, por curiosidade, falava-se "ficar junto"! Sim! "E aí? Ficaram juntos? Ficou junto com ela?" É claro que indubitavelmente foi nos anos 90 que a coisa se espalhou, se instalou, em definitivo tornou-se um costume...! Mas foi a minha geração, sim, reivindico-o com certeza e energia, a primeira que "ficou"! Podem, se quiserem, perguntar por aí a quem quer que seja...!
E tanto isso é verdade que, a claramente o afiançar, o "ficar" já estava referido num verso de "Save a Prayer", o maior sucesso da banda inglesa "Duran-Duran", verdadeiro hino para os que vivemos intensamente aqueles dias, que, sendo do álbum "Rio", foi, creio, lançada exatamente no ano de 1983...
"Some people call it a 'one night stand' but we can call it paradise"
Lembram-se?

Gugu Keller

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Auto-Waterloo

O mais assustador nas tantas guerras que inevitável e continuamente travamos vida afora é percebermos que, no final das contas, somos sempre nós mesmos do outro lado.

Gugu Keller

domingo, 27 de junho de 2010

sábado, 26 de junho de 2010

Sirius

Nesta última semana alguém muito importante para mim passou pela dor de ver partir seu animal de estimação, o gato Sirius, em virtude de complicações renais. Pior ainda, e eis o porquê deste post, enfrentou em seu ambiente de trabalho a horrível situação de ouvir o absurdamente insensível comentário de que sua visível tristeza não se justificaria "só" pela morte de um gato. Escrevo então agora para manifestar meu repúdio a quem não percebe que um animal é tão digno de amor e afeição quanto qualquer ser humano, e que a partida de algum com quem convivemos é motivo, sim, ao menos na minha modesta opinião, para um luto intenso e difícil, como, aliás, aconteceu comigo quando aqui em casa perdemos a nossa poodle Danny, no ano de 94.
Força então, querida amiga! Sirius há de estar bem onde quer que esteja...! E esperemos que as pessoas menos evoluídas que infelizmente tanto há por aí algum dia atinjam um mínimo de bom senso e respeito pelo próximo, e passem a ao menos manter caladas as suas bocas de catapultar asneiras!

Gugu Keller

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Advocacia Pinoquiana

Se há algo definitivamente inconveniente, é a verdade. Tanto que, em regra, quem a costuma dizer torna-se alguém simplesmente insuportável.

Gugu Keller

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Lacanidades

É tão horrível não saber os porquês... E tão mais horrível os saber...

Gugu Keller

terça-feira, 22 de junho de 2010

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Imbatível

Não poucas pessoas, vi na tv e li na internet, chegaram a comemorar a morte de Saramago. Creio que é mesmo como sempre pensei... A igreja católica é definitivamente pródiga, imbatível até, quando se trata de divulgar, de disseminar ignorância...!

Gugu Keller

domingo, 20 de junho de 2010

Meu Salmo

O pecado sem culpa é um ato extremo de fé.

Gugu Keller

Pérolas Etílicas

Um repórter mostrava a festa de populares no centro de São Paulo que haviam acompanhado num telão a vitória do Brasil sobre a Coréia do Norte, quando surgiu ao seu lado um "tiozinho" visivelmente bêbado, a quem, então, foi perguntado se ele sabia quem seria o próximo adversário da nossa seleção... Decerto querendo se referir à Costa do Marfim, o "tiozinho" respondeu com convicção...
- "Seu" Martins!

Gugu Keller

sexta-feira, 18 de junho de 2010

1922 - 2010

JOSÉ de Sousa SARAMAGO
*1922 +2010
Obrigado por tudo, mestre dos mestres!
Ide com a glória dos que decerto ficarão para sempre!
Um dia hei de adotar um cão a que muito amarei e chamarei de "Achado", dos teus personagens o que mais me comoveu...!

Gugu Keller

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Quem Dera...

Quem dera tanto quanto eu consegui derrotar os inimigos reais que a vida me fez enfrentar assim fosse com os imaginários...

Gugu Keller

quarta-feira, 16 de junho de 2010

2014/2016

Discordando da opinião de muitos, eu não acredito que o Brasil vá dar vexame ao sediar a copa de 2014 e, no Rio, as olimpíadas de 2016, e explico por que... É que, como é de fácil observação, se há algo em que as nossas autoridades são inegavelmente competentes, é em cuidar das aparências!

Gugu Keller

terça-feira, 15 de junho de 2010

Minhas Músicas - "Ricardo"

Mesmo não o sendo, durante muito tempo namorei a idéia de compor uma canção com o "eu lírico" gay. Rememorando, isso vem desde o lançamento do "Quatro Estações", do Legião Urbana, onde, com "Maurício", Renato Russo parece pela primeira vez fazê-lo de modo assumido. Algum tempo depois, tendo ouvido, na voz de Cássia Eller, "Rubens", de Mário Manga, a idéia não apenas tornou-se mais intensa, como decidi que igualmente daria ao que compusesse um título com um nome de homem. E, como talvez seja o meu estilo, queria muito que fosse algo poético e musicalmente brando, e, ao mesmo tempo, forte, direto e explícito. Em "Maurício", Renato Russo contentou-se em manifestar o "eu lírico" gay apenas através do título, já que, não fosse por ele, a letra poderia perfeitamente ser para uma mulher. Já em "Rubens", Mário Manga foi um pouco além, mas com um certo ar de escracho, característica aliás óbvia em todos os que vêm do grande "Premeditando o Breque". E eu, modestamente, queria ainda um pouco mais. Se era para ser uma composição gay, que fosse definitiva e contundentemente gay! Ou, até, romanticamente gay!
Não me lembro exatamente quando, surgiu-me uma melodia que adaptou-se com perfeição a uma batida de bossa nova e para a qual escrevi enfim uma letra em que, creio, consegui o que queria... Sim, afinal, estava feita a minha "música gay"! Leve, suave e, entretanto, sensual e explícita, quase que imprópria para menores! Faltava o título...
Conforme disse, assim como é em "Maurício" e "Rubens", eu decididamente queria que o título fosse também um nome de homem, apesar de ele (qualquer que fosse) não ser citado na letra. Hesitei entre vários. Para ser sincero, cheguei a escolher alguns de que depois desisti receoso que de pensassem que a música era para alguém que eu conhecia com aquele nome, o que não seria verdade. Até que, finalmente, uma idéia me pareceu interessante... Quando ouço por aí algumas discussões sobre o pungente tema da homossexualidade, sempre me deparo com pessoas de pensamento retrógrado que criticam os homossexuais com o vazio e absurdo argumento de que "deus fez o homem para a mulher e a mulher para o homem"... Pois bem... Dei à minha canção o nome de "Ricardo" um pouco para provocá-los, já que "Ricardo" é um anagrama da palavra "criador"!
Algumas pessoas a quem a mostrei dizem que eu não teria coragem de cantá-la em público... Mas não, hein? Dêem-me uma chance e verão!

RICARDO

Tardezinha, frio, garoa e eu sonho
Campainha e de pé já me ponho
Você vem sobre mim
Diz meu corpo que sim
Vem por cima, por baixo e já estamos um dentro do outro
Meu garoto
Mel gostoso
Guri

Acabou, o medo ficou lá pra fora
Só restou esta troca que nos devora
Vem, me pega e me faz
Me esfrega por trás
Descarrega e me deixa beber teu amor liquefeito
Molha o peito
Branco aleito

Duas cobras, dois anjos, maçãs e o mundo
Vem bem fundo
Faz, meu homem, de mim o seu homem também

Esperar, noite e eu não durmo
Um olhar e já de novo me aprumo
Você vem devagar
Invadir, inundar
Vem roçar nossos lábios e línguas e barbas mal feitas
Vem, me deita
Me aproveita

Duas cobras, seus ovos, florestas e o fundo
Vem, meu mundo
Faz-me o bem, pode sem, faz, põe tudo, amém
Faz, meu bem
Como você faz bem

Gugu Keller

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Negociações...?

Às vezes, quando, como a minha atualmente, alguma categoria de funcionários públicos entra em greve para fazer serem respeitados seus mais básicos direitos trabalhistas, vem alguma autoridade um pouco mais autoritária e condena o movimento, pregando que, ao invés de algo tão radical, tão prejudicial à população, o certo seria a busca pelo caminho da negociação. Pois bem... Deixando de lado o óbvio fato de que tais negociações são sempre tentadas por anos e anos, e que a resposta por parte das autoridades competentes é em regra uma intransponível intransigência, gostaria apenas de dizer que, na minha sempre modesta opinião, isso soa muito estranho. É que, talvez ingenuamente, aprendi a crer que direitos, sobretudo os constitucionalmente garantidos, não são coisas que se negocie, mas a serem exercidas, ou, quando necessário, exigidas, principalmente se quem os deve cumprir é o justamente o estado, aquele nos que pretende impor a lei, aquele que, no nosso caso, ainda que a mim nem de longe me convença, insiste, quando, é claro, interessa aos que o representam, em pomposamente definir-se como democrático e de direito.

Gugu Keller

domingo, 13 de junho de 2010

Grávida de...?

Já tendo aqui referido-me a algumas, outra expressão que tendo a rejeitar é aquela em que se diz que determinada mulher, às vezes a própria a falar, está grávida "de" determinada pessoa. Mesmo confessando não ter absoluta certeza, tendo a crer que isso gramaticalmente não está correto. Não consigo ver essa transitividade indireta na expressão. Quem está grávida, está grávida e só! Dizer quem é o pai ou o filho necessita de um outro verbo! "Estou grávida e o pai é o José!" Aí, sim, tudo bem!
Aliás, há um aspecto que, ao menos ao meu modesto ver, torna a coisa ainda mais tendente à incorreção... É que, normalmente quando a gravidez é atual, diz-se que fulana está grávida de sicrano numa referência ao pai da criança, a quem, portanto, a engravidou. Por outro lado, em regra quando se fala de uma gravidez passada, a mulher diz "quando eu estava grávida 'do' beltrano", aí já se referindo ao filho. Então, se Maria "está" grávida "do" João, é porque João é o pai da criança, mas, quando "estava" grávida "do" João, aí já se fala de João, seu filho...? Ou seja, a coisa acaba ficando meio que "o samba do crioulo doido", não é verdade?
Bem... Então, se eu um dia for pai, espero que minha parceira diga que está grávida e que eu, Gugu, sou o pai, ou, ao menos, apenas que está grávida... Se disser que o está de mim, depois do susto, terei de lhe dizer que não acho isso correto...! Hum... Mas será que ela vai me achar um imbecil? Capaz de dizer isso numa hora dessas...?

Gugu Keller

Ironias do Direito Penal

Todos acompanhamos com aflição o desaparecimento da advogada guarulhense Mércia Nakashima, bem como a localização de seu corpo, o que veio a confirmar seu assassinato, quase três semanas depois de ela haver sumido. Como se sabe, para a polícia o principal suspeito é seu ex-namorado. Pois bem... Na útima sexta-feira, também com fartura nos noticiários, já que telejornais que adoram explorar ao máximo esse tipo de tragédia infelizmente não nos faltam, vimos, logo após a localização do cadáver, a desesperada reação da mãe da advogada no portão da sua casa, quando, aos berros, contida por parentes, ela gritava, referindo-se ao tal ex-namorado, e também ex-sócio, da vítima... "Foi ele! Foi ele quem matou a minha filha!" Uma outra senhora que a amparava, por seu turno, gritou ainda para as câmeras e microfones apontados para a chocante cena... "Ele é um bandido! E aquele advogado dele é outro bandido!"
Estamos então, meus amigos, observo, diante de uma situação extremamente irônica do ponto de vista do direito penal... Vamos que jamais nada se prove contra o tal suspeito e o que teremos? Teremos um flagrante crime de calúnia praticado pela mãe da advogada contra ele! Afinal, ela lhe atribuiu um ato criminoso diante de todo o país! Ou eu estou errado, meus colegas da área jurídica? Como ficará se ele por isso decidir processá-la? Nos termos exatos da lei, configura-se calúnia, sim! É simplesmente indiscutível! Teria que ser condenada e civilmente indenizá-lo! Já pensaram na ironia da coisa?
Pior ainda é a situação da outra senhora, a que chamou de bandido não apenas o suspeito mas também o seu advogado! Sim, pois, no caso dela, mesmo que seja provado o envolvimento do ex-namorado, também ao seu defensor ela insultou, cometendo, portanto, o crime de injúria! Ou, novamente pergunto, eu estou errado?
Poderá o leigo dizer... "Ah! Mas não se pode levar a ferro e fogo o que elas, sobretudo a mãe, disseram num momento de extremo stress emocional como aquele!" Mas acontece, meus amigos, digo-o para quem não o sabe, que o próprio código penal já prevê taxativamente que a emoção não pode ser motivo de descaracterização de um crime. Trata-se de um princípio básico e não é necessária muita reflexão para se concluir que, de fato, tem que ser assim! É claro que pode servir de atenuante, mas, definitivamente, não descaracteriza a conduta criminosa. Quantos homicídos, ou crimes de lesão corporal, bem sabemos, apenas para exemplificar, não são cometidos quando o agente está emocionalmente abalado? Como seria se isso fosse pretexto para que não se configuasse o delito? Certamente seria o caos!
Assim, eis a ironia... O que o amigo que me lê agora faria se o suspeito decidir processar as duas por esses crimes e fosse você o juiz que as iria julgar? Condenaria a ambas, dada a clareza dos fatos? Ou, diante de uma situação como esta as absolveria, o que, até o digo, claramente parece o mais justo, mesmo que num frontal desrespeito ao que determina a lei?
Complicado, não? E irônico! Muito irônico!
Que fique claro aqui que, como todos, fiquei muito chocado com esse terrível crime que tirou a vida de uma jovem tão linda, e que estou solidário a toda a sua família, a quem, na oportunidade, dedico os meus respeitos! O único objetivo deste post é o de trazer à reflexão de todos, sobretudo dos que estudam direito, como a lei muitas vezes pode criar situações ingratas para quem a manuseia.

Gugu Keller

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Sex & Drugs

Quando a vida é feita de concessões, toda fuga tende a valer a pena.

Gugu Keller

quinta-feira, 10 de junho de 2010

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Antítese

É um grande passo compreendermos que cada um de nós é, afinal, sob muitos aspectos, a exata antítese de si mesmo.

Gugu Keller

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Gravidez

O clitóris é erétil
E é acneico o colhão
O aracnídeo come o réptil
Impacto táctil, lactação

Gugu Keller

domingo, 6 de junho de 2010

Tiros Sem Alvo

Nossas buscas seriam decerto muito menos árduas se ao menos soubéssemos o que afinal tanto  buscamos...

Gugu Keller

sábado, 5 de junho de 2010

O Outono e os Tetrassílabos...

Como já disse aqui, adoro palavras tetrassilábicas que me definem, que me explicam, que dizem como sou. E, nestes dias de outono, três me vêm à mente o tempo todo... É! Sou friorento, dorminhoco e preguiçoso! Alguém se identifica?
Gugu Keller

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Palavras...

Quando todas as palavras
Faladas, facadas
Não são mais do que palavras
Caladas, cartadas
Quando o som da minha boca
Aberta, alerta
É a palavra que se apouca
Oca, incerta
Quando todos os momentos
Tempos, ventos
Não são mais do que tormentos
Longos, lentos
Quando tudo está perdido
Fraco, findo
Meio morto ainda vivo
Brando, indo

Gugu Keller

terça-feira, 1 de junho de 2010

domingo, 30 de maio de 2010

sábado, 29 de maio de 2010

The Kama Sutra Sexy Ultra Blues

THE KAMA SUTRA SEXY ULTRA BLUES

Tarde se faz lá fora
Beijos ecoam leves
Arde o nosso agora
Horas que voam breves
Hoje para ser para sempre
Data em diante esta
Tempo de eternamente
Mente em eterna festa

Sonhos de quem se ama
Soam em nossas bocas
Bicos das tuas mamas
Mimos em vozes roucas
Branco da tua blusa
Brinco em ti brilhante
Tranco que o peito acusa
Brilho do nosso instante

Dentes do teu sorriso
Quente do meu esperma
Pernas e paraíso
Crentes na vida eterna
Fendas a desbravar
Mundo de carne e osso
Frestas para o luar
Fundo do nosso poço

Gotas do meu suor
Grutas na cordilheira
Gosto do teu melhor
Gritos a noite inteira
Gratos por ter o pão
Mágico entendimento
Mortos em união
Corpos no firmamento

Músculos e fricção
Música do teu gemido
Lúdica excitação
Língua no teu ouvido
Lábios os meus nos teus
Lóbulos entrelaçados
Dedos tateiam deus
Loucos desenfreados

Mímicas animizadas
Sílabas e labaredas
Químicas e caminhadas
Álamos e alamedas
Pétalas da tua rosa
Cores de um novo dia
Pérolas da nossa prosa
Flores e poesia

Gugu Keller

Vaginalidades da Vida

Conversando com uma amiga sobre questões bio-odoríficas, eu comentava que deveria existir um desodorante para as partes íntimas femininas, pois, como notório é, algumas mulheres infelizmente o necessitam. Surpreendeu-me ela ao me dizer que isso já existe, como um tal "Vagisil" de que falou. Achei interessante mas fiquei um pouco dececpcionado com o nome. Quer dizer, não exatamente decepcionado, o nome até que é bom... Mas é que sempre achei que, se isso existisse, deveria se chamar "Rexota"...!

Gugu Keller

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Corruptos X Neo-nazistas

Aos corruptos travestidos de democratas de longe prefiro os neo-nazistas, que ao menos são o que são de modo assumido.

Gugu Keller

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Pérolas Advocatícias

Em meu dia a dia de trabalho me deparo com cada coisa que advogados escrevem em suas petições... Vejam só esta...
Para quem não sabe, uma petição inicial, a que dá início a um processo, começa com a identificação de quem a propõe e a de contra quem se propõe, após o que se passa a narrar os fatos que levaram à sua propositura, sendo que, por óbvio, quando da narrativa de tais fatos, em regra já de início, menciona-se o momento em que se deram, ou seja, a data do(s) acontecimento(s) que motivou(aram) a situação que se pretende ver solucionada. Pois bem... Olhem só como um advogado referiu-se à data dos fatos que iria narrar numa petição, e eu juro que vi com meus próprios olhos, que a terra há de comer...
Disse assim... "Aos vinte e cinco dias do mês de abril do ano de dois mil e sete do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo..." Sim! Isso mesmo! Juro que peguei isso na minha mão! É mole? O que pretenderá um causídico com algo desse naipe? Será que crê poder impressionar o juiz com tamanho de religiosidade e fé? Enfim, pérolas advocatícias...

Gugu Keller, aos vinte e seis dias do mês de maio do ano de dois mil e dez do nascimento do supra referido, e, se, como consta, tal deu-se mesmo no ano 30, do de hum mil, novecentos e oitenta de sua crucificação e ressurreição!

terça-feira, 25 de maio de 2010

Refúgios

Tanto quanto qualquer tipo de droga, o passado e o futuro servem perfeitamente como refúgios quando o agora é desconfortável.

Gugu Keller

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Minhas Músicas - "Dois Amigos"

Algo que aconteceu comigo algumas vezes entre a adolescência e os meus vinte e poucos anos foi interessar-me por alguém de quem eu era amigo, e aí, para minha profunda irritação, ouvir a garota rejeitar minha proposta de namoro justamente com a desculpa de que éramos "amigos demais" para isso...! Confesso que não me conformava. Ficava pensando... "Então ela prefere o que? Namorar um inimigo?" Para mim, não sei você que me lê agora concorda, é uma coisa absolutamente natural, e até salutar, uma amizade evoluir para o amor, como, em outras oportunidades, admito, chegou a acontecer na minha vida. De todo modo, um belo dia, lembrando-me ainda de um daqueles "foras" ironicamente justificados pela amizade, compus esta suave canção para externar minha manifesta discordância...
Recentemente, apesar de eu não ser apreciador de "sertanejo pop", vi um pouco da mesma idéia em "Amigo Apaixonado", da dupla mineira Victor & Léo.

DOIS AMIGOS

Dois amigos num dia de sol
Duas mãos que se seguram
Protegidos de qualquer solidão
Corações que se procuram
Dois intrusos no reino do céu
Dois destinos que se abraçam
Duas bocas e um gosto de mel
Corpos nus que se entrelaçam

Dois amigos num dia de sol de verão
Caminhando nas nuvens, flutuando no chão

Dois amigos na beira do cais
Totalmente se entregam
Duas vidas que se unem em paz
Duas almas que se elevam

Dois amigos se beijando na beira do cais
Dois amigos e o resto então tanto faz

Dois amigos na noite de frio
Fogo queima sobre a cama
Lua cheia e nunca mais o vazio
Rio de amor que se derrama

Dois amigos se amando numa noite de frio
Chuva forte cai e molha uma flor que surgiu

Dois amigos e só
Dois amigos e só
Dois amigos para sempre envolvidos
Nos cinco sentidos e só

Gugu Keller

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Samba do Crioulo Doido

Pois é... Quando da condenação do casal Nardoni eu havia comentado o quanto eu achava estranho a "justiça", sob a alegação de que o contrário poderia pôr em cheque a sua credibilidade, negar-lhes o direito de recorrer em liberdade ao mesmo tempo em que, como bem sabemos, concedeu prontamente tal direito ao jornalista Pimenta Neves, condenado por matar sua ex-namorada, a também jornalista Sandra Gomide, um crime, aliás, pelas circunstâncias de um e de outro, na minha modesta opinião, claramente mais grave do que o caso Isabella. Pois bem... Ontem, não sei se os amigos acompanharam, o fazendeiro condenado por mandar executar a missionária Dorothy Stang, num homicídio ainda muito mais grave do que os outros dois, premeditado, encomendado, praticado mediante pagamento e para encobrir práticas escusas ameaçadas pelas atividades da vítima, tampouco, como no caso do jornalista, viu essa tal preocupação com a tão imaculada credibilidade de nossas nobres instituições obstar-lhe a mesma pretensão, e ei-lo, qual Pimenta Neves, "livrinho da silva" enquanto pender o seu recurso, coisa que, como é de praxe em nosso país, deverá levar uns bons anos, se não qüinqüênios ou décadas! São estranhos esses pesos e medidas, não? Chego a pensar que a situação se encaixa com perfeição naquela antiga expressão, "o samba do crioulo doido", lembram-se dela? E, olha, não estranhem, por favor, o que vou dizer, mas sou obrigado a concluir que Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, acabam sendo, mesmo que culpados do crime que lhes foi imputado, em se considerando a situação dos outros dois referidos, extremamente injustiçados! Ou não?

Gugu Keller

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Goró

Tanto quanto sempre adorei a companhia de adolescentes alcoolizados, normalmente alegres, divertidos e espirituosos, sempre detestei a de adultos no mesmo estado, em regra chatos, inconvenientes e agressivos.

Gugu Keller

terça-feira, 18 de maio de 2010

Pornografia e Família

Nunca entendi muito bem os moralistas que, quando criticam a pornografia, seja em que vertente for, dizem que ela atenta contra a família... Soa-me tão estranho...! Será que alguém pode me dizer o que afinal tem uma coisa a ver com a outra? Crerão os que o dizem que a instituição familiar depende necessariamente de pessoas sexualmente contidas ou reprimidas? Será esta a explicação? Definitivamente não vejo sentido...!

Gugu Keller

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Loteria

Semana passada vi no telejornal mais um caso de latrocínio ocorrido aqui em São Paulo, em Perdizes, um bairro bem próximo ao meu, onde fica a faculdade por que me formei, a PUC. A vítima, um comerciante de 34 anos, foi abordado quando ia entrar em seu carro e, mesmo não tendo reagido, foi executado pelo assaltante.
Fiquei pensando no quanto todos nós estamos sujeitos a isso... Sim, porque, como ficou bem claro nesse caso, a ação ocorre com tamanha surpresa e rapidez, que não há o que se possa fazer ou pensar em fazer! Não há como reagir, ou fugir, e, como se viu, muitas vezes tampouco adianta não tentar nenhum dos dois! Claramente qualquer expediente que imaginemos útil para nos livrar de uma situação assim é decerto mera ilusão! Concluo, então, e creio que ninguém haverá de discordar, que é meio como uma loteria, uma loteria às avessas de que, mesmo involutariamente, todos participamos praticamente o tempo todo...! E o "bilhete premiado" pode, hoje mesmo, ou amanhã, ou depois, estar na minha mão, ou na do leitor que me lê agora, ou na de qualquer um...
É! Assim é! Brasil!

Gugu Keller

domingo, 16 de maio de 2010

Minhas Músicas - "Milonga Brasiliana"

Chora, país gigante, essa dor que é tanta
Vem quem te canta cá neste instante chorar também
Tão tristes traz-nos viver-te e ver-te nessa agonia
Democracia de que travestes-te tão refém

É tanto o sangue, tamanha a farsa, excludente engodo
Ao gado povo somente um lodo de sobras vis
Hipocrisia, mentiras mantras, falácias, dívidas
E vidas tantas que em vão se vão, violências mis

Verás que um filho teu não foge à luta
Mas sempre a força bruta, circo e já nem pão, diz não

Tuas leis abrandam dos reis que mandam seus desatinos
Dos teus destinos sempre mãos sujas eis no timão
É muito o injusto, em luto a ascese, corrupta a cúpula
De um direito estado és tese e negação

Espelha o teu futuro um tenebroso escuro
No peito a bala um furo, ó mãe gentil, Brasil

Chora, país gigante, o quanto serias
Chora os teus dias de um sol que nunca se viu brilhar
Para maravilhas, sabemos todos, tendência tinhas
Mas a inclemência te sevicia e só faz chorar

Gugu Keller