terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Big Brother & George Orwell

Serei eu um sujeito arrogante? Ou mesmo, quem sabe, um chato? É que hoje, dia em que estréia na rede Globo mais uma edição do Big Brother Brasil, sinto renovada a minha enorme dificuldade em entender o sucesso desses tais "reality shows"...! Mas tudo bem... Além do inequívoco fato de que gosto não se discute, creio que, hoje mesmo, no início da tarde, eu até consegui uma pista do porquê de tal fenômeno... É que, no meu horário de almoço, havia um grupo de conhecidos, cinco pessoas ao todo, comentando entusiasmadíssimos a respeito da volta do BBB, já o de número 10, especulando acerca das prováveis novidades, bem como relembrando personagens de outras edições e tal. Aproximei-me e fiquei ouvindo. A certa altura, de tanto ouvir falar em "big brother", ocorreu-me interrompê-los e lhes perguntar, já que sou um fã incondicional da obra de George Orwell, se algum deles sabia o motivo de o programa ter esse nome, "Big Brother"... Horrorizado, tive que, conforme imaginei, nenhum deles o sabia. Quatro ao menos já admitiram de cara que sequer faziam idéia. Mas pior foi o outro, que chutou uma besteira que nem tem tamanho...! Ou seja, a única coisa boa que, na minha modesta opinião, tem esse programa, que é remeter ao maravilhoso "1984", era totalmente ignorada por todos! E aí, fiquei pensando... "Nossa! Como podem ignorar uma obra de tamanho vulto, de tamanha importância?" E concluí... "Bom... Acho que isso meio que já explica eles gostarem tanto desse tipo de coisa...!" Terá sido arrogância de minha parte pensar isso? Será que sou um chato, um metido?

De todo modo, para quem não sabe, aqui vai...
"1984", do escritor inglês de origem indiana George Orwell (1903-1950), é, para mim, sem sombra de dúvida, um dos cinco livros mais importantes do século XX! Simplesmente enlouqueceu-me quando o li, tanto que já o reli duas vezes! Escrito nos anos quarenta, ele narra a visão de uma sociedade extremamente totalitária que, decerto influenciado pelo recente horror nazista de então, o autor vislumbrava para o futuro. 1984, o título, é justamente o ano em que a história se passa. Pois bem... Entre inúmeras idéias tão geniais quanto sombrias, uma das principais características desse mundo então futurista imaginário é justamente o fato de que as pessoas são observadas o tempo todo pelas chamadas "teletelas", aparelhos que estão em toda parte, inclusive dentro de todas as residências, que não podem nunca ser desligados. Assim, ao mesmo tempo em que assistem a uma programação que sistematicamente divulga os princípios do regime, todos os cidadãos são diuturnamente vigiados em todas as suas falas e atitudes, e punidos com o extermínio caso motivem qualquer suspeita de subversão ou insubordinação, por mínima que seja. E, quando as "teletelas" não estão exibindo nenhuma programação, elas mostram, severa e imóvel, a imagem do grande líder da nação, o "Grande Irmão" (Big Brother), que está, assim, ininterruptamente, a vigiar todos, pronto a punir com o extermínio qualquer um que ouse contestar a sua ampla e total autoridade.
E um detalhe extremamente interessante e inquietante é que o texto não deixa claro se esse tal Grande Irmão realmente existe ou não... Talvez ele seja apenas uma figura criada para simbolizar o poder... Mas preciso me conter! Se eu começar a escrever aqui sobre essa obra que tanto admiro, corro o risco de não parar mais...

Quando, se não me engano, há coisa de uns quinze ou vinte anos, não me lembro em que cidade da Inglaterra, pela primeira vez se utilizou o expediente das câmeras nas ruas para ajudar no combate ao crime, houve muitas vozes que se ergueram para dizer que era a previsão de Orwell que estava se confimando...! E hoje isso é tão comum, não é mesmo?

Por isso, amigos, - tanto os que gostam de assistir ao "Big Brother" quanto os que não - espero apenas que a existência do programa sirva como mote para que todos, ao menos quem ainda não o fez, procurem e leiam "1984", de George Orwell! É uma leitura fascinante, extremamente atual e enriquecedora! Eu sinceramente recomendo!

Gugu Keller

Nenhum comentário:

Postar um comentário