sábado, 30 de janeiro de 2010

Minhas Músicas - "Que a Chuva Desabe"

A grande maioria das minhas canções que aqui tenho postado foram compostas recentemente, ou quase. Mas é tão legal mexer em coisas que fiz há um bom tempo e reencontrar trabalhos que ainda considero atuais, coisas que hoje eu escreveria exatamente iguais...! É o caso deste rock de meados dos anos 90...

QUE A CHUVA DESABE

Meio-dia nos teus olhos
Quase noite no meu pensar
E um indizível me desvia
Me guia e faz chorar
Melodia em teu sorriso
Teu riso do meu prazer
E, entre meus dentes, teus bicos e boca
Tão quentes de morder

Eu quero ter na minha festa
A tua rosa salgada flor
E, nos meus lábios, a tua floresta
Molhada de amor

Eu desejo o teu corpo com todas as forças do pecado
E que a chuva desabe sobre o nosso chão
Eu escrevo um poema de amor distante e desesperado
Sobre esta dor que não cabe na minha canção

Meia lua em tua blusa
Que te descansa a pele anis
E só me resta uma idéia confusa
Na dança dos teus quadris

Eu quero ser tua comida
Ferida no coração
E não apenas um louco sem vida
Na palma da tua mão

Eu desejo o teu corpo com a volúpia de um faminto
E que a chuva desabe sobre o que restar
Eu escrevo um poema de amor dizendo tudo o que eu sinto
Por esta dor que não cabe no meu paladar

Meia luz e eu procuro
No escuro, quase sem ver
As tuas mãos, meu porto seguro
Eterno amanhecer

Eu quero ter os teus abraços
Teus laços nos braços meus
E afogar o meu longo cansaço
Nos dobras do colo teu

Eu desejo o teu corpo com o desespero de só quem ama
E que a chuva desabe sobre o mundo então
Eu escrevo um poema de amor deitado na tua cama
Com esta dor que não cabe no meu coração

Gugu Keller

Nenhum comentário:

Postar um comentário